Zuckerberg defende Facebook e responsabiliza Trump por assalto ao Capitólio

Correio do Pantanal

25 mar 2021 às 21:09 hs
Zuckerberg defende Facebook e responsabiliza Trump por assalto ao Capitólio

O criador da rede social Facebook, Mark Zuckerberg, defendeu esta quinta- ​​​​​​feira o papel da sua empresa durante o processo eleitoral de 2020 nos EUA e nos meses seguintes, culpando o ex-Presidente Donald Trump pelo assalto ao Capitólio.

Zuckerberg defende Facebook e responsabiliza Trump por assalto ao Capitólio
© Casa Branca

DN/Lusa25 Março 2021 — 19:53

“Cumprimos o nosso trabalho para garantir a integridade das eleições. Então, no dia 6 de janeiro, o Presidente Trump fez um discurso no qual recusou os resultados e pediu às pessoas que lutassem”, afirmou Zuckerberg, durante uma audição perante a Câmara de Representantes dos EUA.

O principal executivo da rede social foi chamado a testemunhar juntamente com os chefes do Twitter, Jack Dorsey, e da Google, Sundar Pichai, sobre as responsabilidades das suas empresas na disseminação de informações falsas e extremismo político na Internet. “Podemos não ser capazes de suprimir todos os conteúdos proibidos pelas nossas normas de uso da comunidade, mas posso assegurar-lhes que tornamos os nossos serviços inóspitos para aqueles que queriam provocar danos”, vincou Zuckerberg aos congressistas.

As redes sociais foram apontadas como uma ferramenta necessária para o assalto ao Capitólio do dia 6 de janeiro, no qual morreram cinco pessoas, já que foi através delas que os promotores coordenaram e apelaram à participação.

Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.SUBSCREVER

Além disso, o Facebook também é proprietário do Instagram e WhatsApp e, apesar de nos últimos tempos ter aumentado a moderação de conteúdo nas suas plataformas, os ativistas e políticos, na sua maioria progressistas, criticam que não faz o suficiente.

Ao mesmo tempo, as posições conservadoras consideram que essas práticas de moderação são na realidade uma censura encoberta, dedicada a suprimir as redes sociais dos pontos de vista de direita e que não correspondem com a ideologia da maioria das empresas e trabalhadores de Silicon Valley, região do estado da Califórnia que alberga gigantes da tecnologia e ‘start-ups’.

Nesse sentido, o Facebook, Twitter e YouTube foram duramente criticados pelo Partido Republicano por terem proibido permanentemente as contas do ex-Presidente Trump, algo que fizeram depois do ataque de 6 de janeiro e quando ainda estava no cargo.

“Estou preocupado que as redes possam suprimir as vozes de líderes eleitos”, indicou Zuckerberg sobre essa questão, embora a sua plataforma seja uma das que mantém Trump banido.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.