Vulva de betão gera polêmica no Brasil de Bolsonaro

Correio do Pantanal

5 jan 2021 às 07:21 hs
Vulva de betão gera polêmica no Brasil de Bolsonaro

Obra de arte em formato de “vulva/ferida”, como descreve a sua autora, é contestada pelos bolsonaristas nas redes sociais.

Vulva de betão gera polémica no Brasil de Bolsonaro
© Facebook

DN04 Janeiro 2021

Aartista plástica Juliana Notari quis “problematizar o género” e “questionar a relação entre natureza e cultura” na “sociedade ocidental falocêntrica e antropocêntrica” com a obra Diva, uma escultura de betão. “Atualmente, estas questões tornaram-se cada vez mais urgentes”, acrescentou no que aparenta ser uma referência ao clima de intolerância do poder do presidente Jair Bolsonaro e dos seus fiéis. Se essas questões vão ou não ser discutidas saber-se-á depois de assentar a poeira na guerra que eclodiu entre aliados de Bolsonaro e personalidades de esquerda.

A escultura de betão e resina, com 33 metros de comprimento e 6 metros de profundidade, assente numa encosta de uma antiga fábrica de açúcar em Água Preta, Pernambuco, chamou milhares de pessoas às redes sociais, não tanto para debater as questões levantadas pela artista pernambucana, mas mais para um pingue-pongue entre moralistas escandalizados com a representação e progressistas.

A escultura, segundo informação partilhada pela autora, foi realizada por uma equipa de 20 pessoas e demorou 11 meses a ser concluída no parque.

Entre os críticos inclui-se o guru político de Bolsonaro Olavo de Carvalho. No Twitter, o homem que defende que a Terra é plana sugeriu aparentemente que se respondesse com uma escultura de um pénis gigante.https://platform.twitter.com/embed/index.html?creatorScreenName=Di%C3%A1rio%20de%20Not%C3%ADcias&dnt=false&embedId=twitter-widget-0&frame=false&hideCard=false&hideThread=true&id=1345753473208508427&lang=en&origin=https%3A%2F%2Fwww.dn.pt%2Fcultura%2Fvulva-de-betao-gera-polemica-no-brasil-de-bolsonaro-13194325.html&siteScreenName=Di%C3%A1rio%20de%20Not%C3%ADcias&theme=light&widgetsVersion=ed20a2b%3A1601588405575&width=550px

Do outro lado da barricada, o realizador Kleber Mendonça Filho não poupou elogios à ousadia de Juliana Notari e sugeriu que se publicasse um livro com as reações à obra. “No futuro vai virar documento da época em que o Brasil virou um bong gigante.”

Também Laerte, cartonista, vê na obra de arte um trabalho “digno” e com “bastante o que pensar”.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.