Veja o que dizem as entidades dos caminhoneiros após novo anúncio do governo

Correio do Pantanal

29 maio 2018 às 09:04 hs
Veja o que dizem as entidades dos caminhoneiros após novo anúncio do governo

Michel Temer anunciou neste domingo (27) novas medidas para a redução no valor do diesel, em mais uma tentativa de colocar fim à paralisação dos caminhoneiros.

Duas entidades de caminhoneiros ouvidas pelo G1 nesta segunda-feira (28) dizem que aceitam a proposta feita pelo governo para encerrar a greve que já dura 8 dias e provoca desabastecimento em várias partes do país. Elas afirmam que estão comunicando os grevistas sobre o fim do movimento Ainda assim, há protestos pelo país.

Uma terceira entidade procurada pelo G1, a Federação dos Caminhoneiros Autônomos de Cargas em Geral do Estado de São Paulo (Fetrabens), afirmou que a greve só deve terminar na quinta-feira (31), caso não haja acordo com o governo do estado de São Paulo.

Neste domingo (27), o presidente Michel Temer anunciou a redução de R$ 0,46 no litro do diesel por 60 dias, entre outras medidas.

O que diz a Abcam

A Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam) informa que “ainda não houve tempo hábil para que todos os caminhoneiros tomassem conhecimento da decisão tomada. A entidade vem trabalhando para que a informação do acordo chegue em toda a categoria. Vale lembrar que ainda que a entidade se manifeste pelo fim das paralisações, nem todos os manifestantes seguem o mesmo entendimento. Mas acreditamos que até o fim da tarde de hoje a quantidade de caminhões parados tenha sido reduzida de forma significativa”.

O que diz a Unicam

Em conversa com o G1, o presidente da União Nacional dos Caminhoneiros (Unicam), José Araújo Silva, o China, disse que muitos caminhoneiros não sabem o que está acontecendo (sobre comunicado de acordo).

“Continuam parados por falta de comunicação. Mas agora não tem como prosseguir a greve. Vão prorrogar o aumento para 60 dias, o que já é uma grande vantagem. Agora precisa bater com o governo outras metas”, afirmou China, sem citar outras reinvidicações.

“O ponto principal era o aumento do óleo diesel. Agora o governo já fez o pronunciamento e cabe às entidades fazerem a comunicação. Não tem como continuar”, informou China, que por volta das 7h30 disse que iniciaria a comunicação com os sete grupos de WhatsApp que faz parte. Cada grupo conta com cerca de 200 caminhoneiros.

Para China, a movimentação deve começar a acontecer por volta das 12h desta segunda-feira (28).

O que diz a Fetrabens

“Em virtude de não ter tido acordo entre caminhoneiros e o governo no estado de São Paulo, o presidente da federação marcou para hoje, às 17h, uma reunião com o governador do estado e todos os sindicatos de caminhoneiros para tentar chegar a um acordo e antecipar o fim do movimento de protestos que, em princípio, só se encerrará na quinta-feira”, afirma a Federação dos Caminhoneiros Autônomos de Cargas em Geral do Estado de São Paulo (Fetrabens).

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.