TJ-MS rejeita ação contra Puccinelli por improbidade em contratação de empresa terceirizada de informática

Correio do Pantanal

1 mar 2021 às 21:54 hs
TJ-MS rejeita ação contra Puccinelli por improbidade em contratação de empresa terceirizada de informática

Ação tramitava desde 2016.

Por G1 MS

01/03/2021 14h49  Atualizado há 6 horas


Ex-governador André Puccinelli — Foto: Reprodução/TV Morena

Ex-governador André Puccinelli — Foto: Reprodução/TV Morena

A 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul rejeitou ação civil pública por improbidade administrativa conta o ex-governador André Puccinelli e outras três pessoas e uma empresa.

A ação foi impetrada pelo Ministério Público Estadual (MP-MS) em 2016 e acusava os envolvidos de durante a gestão de Puccinelli terem praticado ilegalidades por meio do contrato 009/2008, para a contratação de profissionais para a área de tecnologia da informação de modo a transformar o estado em “refém” de empresas terceirizadas, em um aumento de gastos visando burlar a legislação.

Além do ex-governador também eram réus na ação: os ex-secretários estaduais André Luiz Cance e Mário Sérgio Maciel Lorenzetto, o empresário João Roberto Baird e a empresa Mil Tec Tecnologia da Informação Ltda.

A denúncia do MP-MS apontava, por exemplo, que a hora dos servidores públicos variava a época de R$ 8,10 a R$ 3,78, conforme o cargo, mas que para os terceirizados o pagamento do valor da hora chegava a R$ 40,51. Além disso, a empresa terceirizada, por sua vez, teria usado da estrutura do estado (Superintendência de Gestão da Informação) para executar seu serviço, não tendo, pois, custos operacionais.

Outro ponto citado para embasar a denúncia na época, é que quatro meses após a contratação da empresa terceirizada o valor do contrato foi reajustado em 25%.

O processo tramitava na 2a Câmara Civel de Campo Grande, mas desde outubro, com recurso estava suspensa.

A decisão da 1a Câmara Cível que rejeitou a ação é do dia 23 de fevereiro, mas foi publicada nesta segunda-feira (1o) no Diário Oficial da Justiça.

O que diz as defesas dos envolvidos:

O advogado que defende Puccinelli na ação, Vladimir Rossi, disse ao G1 que a decisão do TJMS foi assertiva. “Como não havia nenhuma irregularidade em relação ao meu cliente, a decisão do TJ reconheceu que não existiu nenhuma prática irregular”, afirmou Rossi.

O advogado José Wanderley Bezerra Alves, que representa o ex-secretário de Mato Grosso do Sul André Luiz Cance, e o empresário João Roberto Baird, disse que não irá comentar as decisões por questões de confidencialidade entres ele e os clientes.

Já a advogada Joselaine Zatorre, que defende a empresa Mil Tec Tecnologia da Informação Ltda, disse que até o início da tarde desta segunda-feira (1º), não tinha feito nenhuma análise da decisão, por este motivo, não comentará sobre o caso.

Para o advogado do do ex-secretário de Fazenda de Mato Grosso do Sul Mário Sérgio Maciel Lorenzetto, Fábio Castro Leandero, a decisão do TJMS foi correta diante dos fatos apresentados.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.

%d blogueiros gostam disto: