Servidoras denunciam crime de peculato ao flagrarem homem furtando gasolina dentro do pátio da Agepen
  • piramide

Correio do Pantanal

5 set 2019 às 14:44 hs
Servidoras denunciam crime de peculato ao flagrarem homem furtando gasolina dentro do pátio da Agepen

Agência em MS diz que procedimentos por parte da direção foram tomados. além de ter sido feita a perícia nos carros e o registro do boletim de ocorrência.

Por Graziela Rezende, G1 MS

Duas servidores da Agência Estadual de Administração do Sistema Penintenciário (Agepen), em Campo Grande, foram até a delegacia para denunciar o crime de peculato, ao flagrarem outro funcionário furtando gasolina.

Ao G1 a assessoria de imprensa da Agência informou que o suspeito monitora o prédio e é cedido pela Secretaria de Estado de Administração (SAD), sendo que, após a denúncia, todos os procedimentos por parte da direção foram tomados. além de ter sido feita a perícia nos carros e o registro do boletim de ocorrência.

No teor do documento, consta que o flagrante ocorreu na noite dessa quarta-feira (5). Na ocasião, uma servidora que atua como psicóloga, estava acompanhada de uma chefe da divisão de assistência da saúde. Ambas chegaram de uma viagem de Ponta Porã e avistaram a luz da recepção da Agepen acesa, quando tocaram a campainha por cerca de 4 minutos.

Como não foram atendidas, uma delas alegou que estava em posse de um controle remoto do portão e então entrou, já que precisaria estacionar o seu veículo no interior do pátio. Foi neste momento, segundo a polícia, que sentiram um “forte cheiro” de gasolina e então viram a tampa do tanque aberta, com objetos em cima e no banco de um carro, entre eles uma mangueira. Perto da roda, uma das servidoras também viu uma mochila com outra mangueira e quatro garrafas pet.

O caso foi registrado como peculato, quando o funcionário público, embora não tendo a posse do bem, o subtrai aproveitando o fato do cargo que possui. A pena varia de 2 a 12 anos de reclusão, além de multa.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.