Professor de inglês nega estupros contra 14 crianças e advogado cita ‘efeito manada’

Correio do Pantanal

11 jan 2023 às 14:24 hs
Professor de inglês nega estupros contra 14 crianças e advogado cita ‘efeito manada’

O professor afastado da rede municipal foi preso preventivamente após pedido da polícia

Ana Oshiro e Renata Portela

| 10/01/2023

– 18:00

Copy LinkTwitterFacebookMessengerTelegramWhatsApp

Professor de inglês nega estupros contra 14 crianças e advogado cita ‘efeito manada’

Professor foi preso preventivamente – Foto: Ana Oshiro/Midiamax

Preso preventivamente nesta terça-feira (10) em Campo Grande, o professor de inglês de 36 anos negou os estupros de que é acusado. As vítimas são 14 crianças, alunas do suspeito, com idades entre 4 e 11 anos.

Na saída da DEPCA (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente), o advogado Igor Morais citou que a prisão preventiva foi decretada de forma equivocada. Além disso, informou que o cliente negou todas as acusações.

Assim, relatou que as 14 denúncias seriam um caso de ‘efeito manada’. Isso, afirmando que após uma vítima procurar a polícia e o caso ser exposto na mídia, outras teriam ido também. “Efeito manada, explode na mídia e aparece um monte de gente”, disse.

Também foi dito pelo professor no interrogatório, que durou cerca de 4 horas, que ele nunca ficou sozinho em sala com algum aluno.

Preso preventivamente

Conforme as informações da polícia, o autor foi preso em casa, no Recanto das Paineiras e era investigado desde novembro. Além disso, ao todo foram identificadas 14 vítimas, todas alunas do autor.

Ainda segundo a delegada Anne Karine Trevisan, titular da DEPCA, as vítimas eram da pré-escola ao 5º ano, com idades entre 4 e 11 anos. Também conforme a delegada, todas as crianças foram ouvidas em depoimento especial.

Assim, confirmaram os abusos sexuais. Segundo as vítimas, o professor aproveitava os momentos em que elas ficavam sozinhas com ele na sala de aula ou quando iam levar atividades para ele corrigir e aproveitava para colocá-las em seu colo.

Então, por detrás da mesa, o professor passava a mão nos órgãos genitais e pernas das crianças, sendo a maioria do sexo masculino. Ainda conforme a polícia, o professor prometia balas para as vítimas e entregava o celular para que elas pudessem usar a internet, como forma de distração.

Já no interrogatório, ele negou os crimes de estupro e confirmou que tinha hábito de beijar e abraçar seus alunos, mas, segundo ele, era apenas um gesto de carinho.

Professor foi afastado das aulas

A Semed (Secretaria Municipal de Educação) informou que afastou o professor da Rede Municipal de Ensino após ter conhecimento do caso. E emitiu nota sobre o caso.

“Cumpre esclarecer que o caso já é de conhecimento da escola e da Semed e todas as medidas foram tomadas para o atendimento socioemocional e psicológico dos alunos e das famílias. A unidade escolar e a Semed estão dando o suporte necessário para garantir o bem estar dos alunos e seus familiares. A Semed não tolera qualquer tipo de violência dentro e fora do ambiente escolar”.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.