Petrobras aumenta gás de cozinha em 5% a partir desta sexta-feira

Correio do Pantanal

2 abr 2021 às 20:13 hs
Petrobras aumenta gás de cozinha em 5% a partir desta sexta-feira

Petrobras aumenta gás de cozinha em 5% a partir desta sexta-feira (2)Este é o quarto aumento do ano, o último reajuste realizado pela estatal foi há um mês, no início de março

O Tempo/PCSImprimirFoto: Sheila Forato

A Petrobras vai aumentar o preço médio de venda do gás liquefeito de petróleo (GLP) em 5% para as distribuidoras a partir desta sexta-feira (2). Este é o quarto aumento do ano, o último reajuste realizado pela estatal foi há um mês, no início de março.

Em média, o quilo do GLP produzido nas refinarias da Petrobras vai ficar R$ 0,15 mais caro, tanto para o uso em indústrias quanto para o uso doméstico. Na prática, o quilo do produto passa a ser revendido a R$ 3,21 e o botijão de 13 kg vai sair das refinarias custando R$ 41,68.

Segundo a Petrobras, além do câmbio, a alta nos preços reflete as movimentações da cotação internacional do petróleo, utilizado como insumo na produção do produto.

De acordo com o levantamento semanal da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o preço médio do botijão de 13 kg custa, atualmente, em Minas Gerais, R$ 85,06. No início da pandemia de Covid-19, o botijão era encontrado por R$ 69.

Em Belo Horizonte, o preço do gás de cozinha chegou a custar R$ 95 na última semana, segundo a ANP. De acordo com o último levantamento site Mercado Mineiro, o valor do botijão de 13 kg poderia chegar até R$ 105. O mais barato na capital custava R$ 71,99, mas precisava ser comprado na portaria do estabelecimento e levado para a residência pelo próprio consumidor.

Já o cilindro de 45 kg, que tinha preço médio de R$ 329,38, em fevereiro de 2020, passou a custar R$ 349,09 em um ano — um aumento de 5,98% quando entregue na própria região. Quando buscado na portaria, o cilindro de 45 kg, que custava em média R$ 307,79, passou para R$ 332,93, um aumento de 8,17%.

Outro lado

Em nota, a empresa justificou o aumento dizendo que “os preços praticados pela Petrobras têm como referência os preços de paridade de importação, dessa maneira, acompanham as variações do valor do produto no mercado internacional e da taxa de câmbio, para cima e para baixo”.

A estatal acrescentou ainda que “os valores praticados nas refinarias pela Petrobras são diferentes dos percebidos pelo consumidor final no varejo. Até chegar ao consumidor são acrescidos tributos federais e estaduais, custos para envase pelas distribuidoras, além dos custos e margens das companhias distribuidoras e dos revendedores”.

O gás de cozinha encerrou o ano de 2020 com alta de 9,24%, segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Isso representa mais que o dobro da inflação de 4,52% registrada no ano passado.

Em vigor desde 2019, a política atual de preços do gás de cozinha prevê reajustes sem periodicidade definida. O preço está atrelado a dois componentes: dólar e cotação internacional do petróleo. Em 2017, o botijão inicialmente foi reajustado mensalmente, mas passou a ter o preço revisado a cada três meses, numa política que vigorou até o fim de 2018.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.

%d blogueiros gostam disto: