Orçamento previsto para Sirius impede conclusão do projeto para 2020, diz diretor

Correio do Pantanal

12 set 2019 às 06:51 hs
Orçamento previsto para Sirius impede conclusão do projeto para 2020, diz diretor

Demora no repasse da verba e projeção orçamentária fazem com que as 13 linhas de luz projetadas para o laboratório de luz síncrotron em Campinas sejam entregues apenas em 2021.

Por G1 Campinas e Região

Sirius: maior estrutura científica do país, instalada em Campinas (SP) — Foto: Cesar Cocco

Sirius: maior estrutura científica do país, instalada em Campinas (SP) — Foto: Cesar Cocco

principal projeto do governo federal de pesquisa científica, o Sirius, em Campinas, interior de São Paulo, não ficará completamente pronto até o fim de 2020, conforme previsto inicialmente.

Com a maior e mais complexa infraestrutura da área já construída no Brasil (leia mais ao final da reportagem), o projeto recebeu até setembro repasse de R$ 75 milhões dos R$ 255,1 milhões previstos para 2019 — 29,3% do total. Do valor repassado, R$ 50 milhões foram gastos.

O Sirius é um laboratório de luz síncrotron de 4ª geração, que atua como uma espécie de “raio X superpotente” que analisa diversos tipos de materiais em escalas de átomos e moléculas. Atualmente há apenas um laboratório da 4ª geração de luz síncrotron operando no mundo: o MAX-IV, na Suécia.

No Brasil, essa tecnologia só está disponível em equipamentos de 2ª geração, em funcionamento há 30 anos.

Apesar de garantir o início de operação no próximo ano, o diretor do projeto, Antônio José Roque da Silva, diretor-geral do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), destaca que o orçamento dotado pelo governo federal impede a conclusão no prazo inicial. Segundo ele, a entrega de todas as 13 linhas de pesquisa previstas no Sirius deverá ficar para 2021.

“Se das 13 [linhas de pesquisa] vamos entregar sete, oito ou nove em 2020, tudo vai depender de como as coisas andem. A medida que os recursos forem liberados, conseguimos programar as outras linhas”, diz o diretor.

“Não tem milagre. Você atrasa o escopo total do projeto, mas o ponto importante é que foi possível fazer uma gestão para que o Sirius comece a dar retorno. Com a entrega da primeira linha de luz, ele começa a ser utilizado”, defende Silva.

Antônio José Roque da Silva, diretor do projeto Sirius — Foto: Fernando Evans/G1

Antônio José Roque da Silva, diretor do projeto Sirius — Foto: Fernando Evans/G1

O diretor ressalta que o escalonamento na entrega das linhas de pesquisa não tem relação com a fala do ministro de Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, de que poderia utilizar recursos do Sirius para o pagamento de bolsas CNPq. Em nota, o próprio MCTIC nega que haverá “remanejamento de recursos das entidades vinculadas para pagamento de bolsas.”

Sobre o atraso na conclusão do Sirius, o MCTIC informou em nota que a pasta tem se empenhado, em um “cenário de restrição orçamentária”, a manter recursos para seus institutos de pesquisa e entidades vinculadas.

Primeira sala onde os elétrons são acelerados antes de serem guiados para o acelerador principal do Sirius — Foto: Felipe Souza/BBC News Brasil

Primeira sala onde os elétrons são acelerados antes de serem guiados para o acelerador principal do Sirius — Foto: Felipe Souza/BBC News Brasil

Obra 100% pública

Projetado para ser uma das estruturas de pesquisa mais modernas do mundo, capaz de analisar diferentes materiais em escalas de átomos e moléculas, o Sirius é uma obra 100% pública.

O terreno onde está instalado foi desapropriado pelo governo do estado de São Paulo e cedido ao CNPEM. Os recursos para a construção e funcionamento, são fornecidas pelo MCTIC.

Segundo informações obtidas pelo G1 via Lei de Acesso à Informação (LAI), desde 2012 o Ministério de Ciência e Tecnologia fez dotação orçamentária de R$ 1,472 bilhão para o projeto, sendo que R$ 1,249 bilhão foram, de fato, pagos.

Em 2019, a dotação orçamentária é de R$ 255.155.000,00, sendo que até o momento foram depositados para o projeto R$ 50 milhões. O valor foi empregado principalmente na montagem do terceiro e principal acelerador e na instalação das três primeiras linhas de luz.

“Vamos aguardar até o final de setembro, ver quanto dos R$ 255 milhões ainda vamos conseguir empenhar e receber. O que recebemos priorizamos para garantir a primeira linha de luz. Já é um entendimento que vamos ter de escalonar”, diz o diretor.

Entenda como funciona o Sirius, o Laboratório de Luz Síncrotron — Foto: Infográfico: Juliane Monteiro, Igor Estrella e Rodrigo Cunha/G1

Veja mais notícias da região no G1 Campinas

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.