‘Pedi pra ele parar, mas ele fez o ato’, diz modelo sobre suposto estupro sofrido por Neymar

Correio do Pantanal

6 jun 2019 às 12:00 hs
‘Pedi pra ele parar, mas ele fez o ato’, diz modelo sobre suposto estupro sofrido por Neymar

MIDIAMAX

Reprodução SBT

A modelo que acusa Neymar de agressão e estupro, durante um encontro em Paris, contou que pediu para que o jogador “parasse”, mas ele teria virado ela de costas e cometido o crime. A declaração foi divulgada no Jornal do SBT, na noite desta quarta-feira (5), em entrevista exclusiva para Roberto Cabrini.

Najila Trindade Mendes de Souza quebrou o silêncio antes do depoimento, marcado para esta quinta-feira (4) na 6ª Delegacia de Defesa da Mulher, e contou detalhes sobre o encontro com o jogador em um hotel de Paris, no dia 15 de maio. Segundo ela, as agressões teriam sido consensuais até certo ponto, depois teriam continuado mesmo ela pedindo para parar.

Ainda conforme a versão da modelo, ela teria perguntado se o craque tinha levado “camisinha” e ele disse que não. Neste momento, Najila teria dito que então não “ia passar daquilo” e, mesmo assim, Neymar ignorado o pedido e teria cometido o estupro.

Modelo, de 26 anos, começou a entrevista dizendo que é uma pessoa comum e afirmou, novamente, ter sido vítima de agressão e estupro. Najila diz que sentiu preconceito da parte do ex-advogado José Edgar Bueno quando ele teria dado a entender que não acreditava nela.

A mulher explicou que conheceu o jogador através do Instagram e depois mandou uma foto nua para ele. As conversas avançaram até os dois trocarem mensagens pelo aplicativo no celular e marcarem o encontro na Capital Francesa. “Meu intuito era ter uma relação sexual com ele”, contou.

Depois das preliminares, a modelo teria questionado sobre o preservativo. Como o jogador não tinha levado, eles continuaram com as preliminares, mas a relação sexual teria sido a força. Ainda durante o ato, segundo Najila, ela pediu para parar, mas teria sido ignorada.

“Ele não se comunicava muito, só agia.”

O crime teria acontecido, conforme o relato, a partir do momento que Neymar teria se tornado agressivo e ela falou que não iria ter relação sexual.

“A partir do momento que ele se tornou agressivo, que eu perguntei se ele tinha levado preservativo, que eu não tinha, e eu falei ‘não podemos’. E ele concordou, o silêncio eu entendi como concordância. Quando ele me virou, ele começou o ato comigo. Eu não acreditei. Foi uma decepção. Eu não consegui falar nada para ele. Não consegui xingar, chorar.. só fiquei em estado de choque. Depois, ele levantou, foi pro banheiro. Quando ele entrou pela porta, eu saí pela outra”.

A modelo também explicou o motivo de ter continuado a trocar mensagens com Neymar no dia seguinte ao suposto crime.

“Não acho que só porque eu estava afim de ficar com ele, ele tinha o direito. Em primeiro momento, não consegui reagir por causa dos traumas. Se eu não tivesse continuado a conversar com ele, eu sabia que não teria como provar.”

Najila negou que tenha tentado extorquir o craque e desconhece qualquer pedido de compensação financeira. “Quero justiça.”

Vídeo

Uma parte do que seria o suposto vídeo do camisa 10 agredindo Najila no hotel foi divulgado pelo programa Cidade Alerta, na tarde desta quarta-feira (5), na TV Record. O pedaço da suposta gravação mostra um homem deitado na cama com os pés no rosto de uma mulher, que aparentemente tenta se defender de um chute.

O pai do jogador, Neymar Silva, contou no programa que a imagem serve para mostrar a inocência do filho, já que “ninguém agride por baixo”. Em contraponto, a advogada da mulher deve alegar, em depoimento nesta quinta-feira (6), que o camisa 10 agrediu sua cliente após ter se recusado a usar camisinha.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.

%d blogueiros gostam disto: