Mais de 100 crianças acusadas de feitiçaria atiradas aos jacarés em Angola

Correio do Pantanal

11 jan 2020 às 21:20 hs
Mais de 100 crianças acusadas de feitiçaria atiradas aos jacarés em Angola

Acusadas de práticas de feitiçaria, mais de cem crianças foram atiradas aos rios pelos familiares nos últimos três anos em quatro províncias angolanas. Para serem devoradas por jacarés.

Instituto da Criança deu por concluído, em 2019, cerca de 39 processos de crianças acusadas de práticas
Instituto da Criança deu por concluído, em 2019, cerca de 39 processos de crianças acusadas de práticas de feitiçaria ©  BENJAMIN CÂNDIDO | LUNDA-NORTE| EDIÇÕES NOVEMBRO

Ana Paulo – DN

Mais de cem crianças acusadas de práticas de feitiçaria nas províncias de Cabinda, Zaire, Malanje e Bengo, nos últimos três anos, foram atiradas aos rios pelos familiares, informou uma equipa de investigadores nacionais do Centro de Estudos e Investigação em População (CEIP).

O fenómeno “feitiçaria” contra menores constitui um problema social que tem preocupado os investigadores do Centro de Estudos e Investigação em População (CEIP), afecto à Universidade Agostinho Neto (UAN) e as organizações sociais ligadas à causa.

Em declarações ao Jornal de Angola, o director do Centro de Estudos e Investigação em População (CEIP), Ndonga Mfuwa, disse ter constatado no terreno que muitos pais e encarregados de educação lançam os filhos aos rios para, de seguida, serem devorados pelos jacarés, alegando serem feiticeiros.

Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.SUBSCREVER

Alguns progenitores, prosseguiu o investigador, além de acusarem os filhos de feiticeiros, expulsam-nos do seio familiar e mais tarde arrependem-se do que fizeram e depois de procederem de tal forma, entram em conflito com as entidades acolhedoras.

Leia mais em Jornal de Angola

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.

%d blogueiros gostam disto: