‘Grave violação’: a reação da Liga Árabe à abertura de escritório do Brasil em Jerusalém
  • No Banner to display

  • celular

Correio do Pantanal

19 dez 2019 às 21:34 hs
‘Grave violação’: a reação da Liga Árabe à abertura de escritório do Brasil em Jerusalém
Reunião da Liga Árabe
Image captionDelegados da Liga Árabe se reúnem para debater abertura de escritório comercial do Brasil em Jerusalém

O Conselho da Liga dos Estados Árabes, que agrega 22 países do Oriente Médio e norte da África, divulgou nesta quinta-feira (19/12) um comunicado no qual diz que a abertura pelo Brasil de um escritório comercial em Jerusalém representa “uma grave regressão e violação do status legal internacional” da cidade e das resoluções do Conselho de Segurança da ONU sobre o tema.

Em nota divulgada após uma reunião do conselho, no Cairo, a Liga Árabe afirmou ainda que as posições brasileiras “representam uma transformação radical de suas posições históricas em relação à questão palestina e ao processo de paz” na região, tendo o Brasil sido “um dos primeiros países a reconhecer o Estado da Palestina, em apoio aos direitos legítimos do povo palestino”.

O escritório foi inaugurado no domingo (15/12), em cerimônia à qual estiveram presentes o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro.

No evento, o deputado sinalizou que a abertura do escritório seria um primeiro passo para a transferência da Embaixada do Brasil em Israel para Jerusalém. Hoje, a missão fica em Tel Aviv. “[Meu pai] me disse que existe um compromisso firme, que a transferência da Embaixada a Jerusalém será realizada”, disse o deputado.PROPAGANDA

inRead invented by Teads

A transferência da Embaixada para Jerusalém é um tema controverso. Antes de se eleger, Bolsonaro havia se comprometido com a medida, mas recuou após pressões do agronegócio, que temia represálias do mundo árabe, grande cliente da agropecuária brasileira.nullTalvez também te interesse

null.

Posições históricas

O governo israelense diz que Jerusalém é sua capital indivisível, mas os países árabes defendem que a cidade deverá ter sua soberania repartida entre israelenses e palestinos quando o Estado palestino for criado. A posição dos árabes é respaldada pela ampla maioria dos países e pela ONU, que em várias ocasiões se posicionou em favor do status internacional de Jerusalém.

Hoje, só dois países mantêm suas embaixadas em Jerusalém: os Estados Unidos e a Guatemala.

No comunicado divulgado nesta quinta, a Liga Árabe diz que o secretário-geral da organização, Ahmed Abou El-Gheit, enviou em 4 de novembro uma carta ao ministro das Relações Exteriores do Brasil para expressar “sua forte insatisfação com o anúncio do Brasil de abrir um escritório comercial em Jerusalém, alertando que essa etapa afetaria negativamente as relações históricas entre os países árabes e o Brasil”.

A carta exortava o Brasil a “desistir dessa decisão, a fim de preservar as posições históricas e declaradas do Brasil sobre a questão palestina em geral e se recusar a mudar o status quo histórico e legal em Jerusalém”.

Bolsonaro anunciou que abriria um escritório comercial em Jerusalém em março, quando visitou Israel. A decisão frustrou líderes evangélicos brasileiros, que cobravam o cumprimento da promessa de transferir a Embaixada.

“Tem o compromisso (de transferir a Embaixada), mas meu mandato vai até 2022. E tem que fazer as coisas devagar, com calma, sem problema”, disse ele, na ocasião.

A posição dos evangélicos se explica pela crença de que a Bíblia define Israel como terra eterna do povo judeu. Segundo essa visão, o estabelecimento dos judeus na região é necessário para o retorno de Jesus Cristo à Terra.

Historicamente, o Brasil defende negociações que estabeleçam dois Estados na região, um israelense e um palestino. No governo de Michel Temer, o país apoiou uma resolução da ONU contra a transferência da Embaixada dos EUA para Jerusalém.

Segundo analistas, a mudança nessa postura reflete um maior alinhamento entre o Brasil e os EUA na gestão Bolsonaro e a forte influência que os evangélicos exercem sobre o governo.

Outro grupo influente na atual gestão, porém, é o agronegócio, que se opõe à transferência, por temer represálias comerciais.

O Brasil hoje é, no mundo, o maior exportador de carne halal, que segue as regras de abate do Islã.

Em janeiro, representantes do agronegócio e analistas de comércio exterior disseram à BBC News Brasil que o Brasil teria prejuízos caso países árabes decidissem retaliá-lo pela transferência da representação diplomática.

“O mercado árabe é muito mais importante economicamente para o Brasil (do que Israel). Do ponto de vista puramente econômico, esta(ría)mos beneficiando um país que importa pouco em detrimento de um grupo de países que importa muito”, disse, na ocasião, o presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.

%d blogueiros gostam disto: