Ataque suicida mata 31 pessoas em Ano Novo persa no Afeganistão

Correio do Pantanal

22 mar 2018 às 10:56 hs
Ataque suicida mata 31 pessoas em Ano Novo persa no Afeganistão

VEJA

Tropas afegãs realizam patrulha após ataque suicida na capital do país, Cabul – 21/03/2018 (Omar Sobhani/Reuters)

Ao menos 31 pessoas, em sua maioria adolescentes, morreram nesta quarta-feira em um ataque terrorista com homem-bomba próximo à Universidade de Cabul, no Afeganistão, onde era celebrado o Nowruz, a festa do Ano Novo persa, informou o Ministério do Interior.

“O agressor explodiu seu colete em meio à multidão. A maioria das vítimas estava celebrando o Nowruz”, afirmou Nasrat Rahimi, porta-voz do ministério do Interior. Outras 65 pessoas ficaram feridas no ataque, acrescentou.

Esse ataque, o quinto na capital afegã nas últimas semanas, foi reivindicado pelo grupo Estado Islâmico (EI), segundo o grupo de inteligência SITE, órgão especializado na vigilância dos sites islamitas.

Por sua vez, os talibãs negaram qualquer envolvimento no ataque.

Muitas das vítimas pertenciam a minoria xiita do país. Segundo as autoridades, o balanço de mortos e feridos pode aumentar nas próximas horas.

Segundo Nasrat Rahimi, o atentado aconteceu em frente a um hospital e à Universidade de Cabul, e a menos de 200 metros de Kart-e Sakhi, um mausoléu onde inúmeros afegãos se reúnem para comemorar o Nowruz.

O atentado é “um crime contra a humanidade”, declarou o presidente afegão Ashraf Ghani em um comunicado.

O ataque aconteceu quatro dias depois de um atentado suicida na capital, reivindicado dessa vez pelos talibãs. Duas pessoas morreram e várias ficaram feridas.

10.000 civis mortos

Em 2017, mais de 10.000 civis morreram ou foram feridos em atos de violência no Afeganistão, de acordo com números da ONU. Do total, 2.300 morreram ou foram feridos em atentados, o balanço mais grave até agora.

Desde que o EI estabeleceu presença no país em 2015, a minoria xiita — 3 milhões entre quase 30 milhões de afegãos — se tornou alvo recorrente de ataques.

Em outubro de 2016, o EI atacou o mesmo mausoléu Kart-e Sakhi, matando 18 pessoas reunida por causa da Ashura, uma celebração religiosa especialmente importante para a comunidade xiita.

Medidas de segurança extras foram implementadas antes do Nowruz, mas os atentados se multiplicam em Cabul, convertido num dos lugares mais perigosos do Afeganistão.

Na semana passada, o general John Nicholson, comandante das forças armadas americanas e da Otan no Afeganistão, declarou que a proteção da capital afegã é uma prioridade.

No final de janeiro, o presidente Ashraf Ghani propôs aos talibãs iniciar conversações de paz, mas os rebeldes receberam friamente a proposta.

Os talibãs reconquistaram muito terreno desde o final da missão de combate da Otan em 2014, e aplicaram duros golpes às forças de segurança afegãs.

(Com AFP)

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.

%d blogueiros gostam disto: