Mundo teve em 2021 o mês de julho mais quente desde 1880

Correio do Pantanal

14 ago 2021 às 03:03 hs
Mundo teve em 2021 o mês de julho mais quente desde 1880
"É muito provável" que 2021 fique entre os 10 anos mais quentes desde que há registos
“É muito provável” que 2021 fique entre os 10 anos mais quentes desde que há registosFoto: Miguel Pereira/Arquivo Global Imagens

JN/AgênciasOntem às 18:58

O mês passado foi o julho mais quente no mundo desde que a agência norte-americana NOAA, especialista no estudo do clima, tem registos da temperatura global, que remontam a 1880.

Segundo a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA, na sigla em inglês), que divulgou hoje o relatório de julho, os sete meses de 2021 foram os sextos mais quentes.

Em comunicado, a NOAA assinala que “é muito provável” que 2021 fique entre os 10 anos mais quentes desde que há registos.

Em julho, a temperatura global à superfície (solo e oceanos) esteve 0,93º C acima da média de 15,8º C observada no século XX, ultrapassando em 0,01º C o anterior recorde para o mês, registado em 2016. Os sete meses de julho mais quentes ocorreram desde 2015.

Considerando apenas a temperatura global à superfície do solo, a NOAA realça que o mês passado superou, com um aumento de 1,40º C, o recorde anterior, de 2020, que tinha registado uma subida de 0,17º C.

Por regiões, a Ásia teve, em 2021, o julho mais quente, ultrapassando o recorde de 2010. A Europa teve este ano o segundo mês de julho mais quente, depois de julho de 2018.

De acordo com a NOAA, a ocorrência de ciclones tropicais foi entre janeiro e julho “acima do normal”.

Quanto à extensão de gelo nos oceanos das regiões polares, a do Ártico foi em 2021 a quarta menor para o mês de julho, depois de 2012, 2019 e 2020. Na Antártida, esteve acima da média de 1981-2010.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.