Menor réptil do mundo cabe na ponta de um dedo

Correio do Pantanal

6 fev 2021 às 23:06 hs
Menor réptil do mundo cabe na ponta de um dedo

Cientistas descobriram em Madagáscar o menor réptil do mundo. Tem as mesmas características dos camaleões, mas cabe na ponta de um dedo.

Um dos dois espécimes descobertos da Brookesia nana em 2012 em Madagáscar.
Um dos dois espécimes descobertos da Brookesia nana em 2012 em Madagáscar.© Frank GLAW / Zoologische Staatssammlung Munchen / AFP

DN/AFP06 Fevereiro 2021 — 22:42

Omacho Brookesia nana é o menor réptil adulto do mundo e mede apenas 13,5 milímetros da boca à base da cauda, o tamanho de um amendoim, e 22,5 milímetros contando a cauda.”Descobrimo-lo nas montanhas do norte de Madagáscar”, disse à AFP Frank Glaw, diretor de Herpetologia da Coleção de Zoologia de Munique.

Uma equipa de cientistas alemães e malgaxes encontrou dois espécimes durante uma expedição em 2012, mas não se sabia que eram adultos, explicou.

O hemipénis (órgão sexual) do Brookesia nana é muito grande em proporção ao seu tamanho. Mede 2,5 milímetros, ou seja, 18,5% do comprimento do animal.

A fêmea é muito maior do que o macho, com 19,2 milímetros da boca à base da cauda, e 28,9 milímetros contando a cauda, explicou Frank Glaw na revista Scientific Reports.

Os dois espécimes continuam a ser os únicos descobertos para esta espécie.
Mas estes nanocamaleões descobertos não são produto de “nanismo insular”, o fenómeno pelo qual as espécies numa ilha, similares ao seu ancestral continental, evoluem com o tempo reduzindo o tamanho, sob pressão de vários fatores.

O animal vive numa região montanhosa, a 1300 metros de altitude.
Pouco depois da descoberta, a Brookesia nana já é considerada uma espécie ameaçada, destaca o cientista.

“A destruição do habitat representa a maior ameaça para os anfíbios e répteis de Madagáscar”, adverte.

Madagáscar é um dos países mais pobres do mundo e a sua flora e fauna não estão suficientemente protegidas.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.