Marinheiro sobrevive 14 horas perdido no oceano graças a boia abandonada

Correio do Pantanal

25 fev 2021 às 19:37 hs
Marinheiro sobrevive 14 horas perdido no oceano graças a boia abandonada

O lituano Vidam Perevertilov, engenheiro-chefe de um navio de carga, caiu ao mar durante a madrugada e conseguiu salvar-se ao encontrar uma boia de pesca abandonada.

Marinheiro sobrevive 14 horas perdido no oceano graças a boia abandonada
© SUPPLIED

DN25 Fevereiro 2021 — 20:09

Um marinheiro caiu de um navio cargueiro a meio da madrugada do dia 16 de fevereiro em pleno Oceano Pacífico e passou mais de 14 horas agarrado a uma velha boia de pesca abandonada até ser resgatado.

A história teve como protagonista o lituano Vidam Perevertilov, engenheiro-chefe do navio Silver Supporter, que de repente se viu sozinho no meio do oceano, algures entre o porto de Tauranga, na Nova Zelândia, e o remoto território britânico de Pitcairn. Sem colete salva-vidas, aguentou-se em alto mar até ao amanhecer, altura em que nadou até um ponto negro no horizonte… uma decisão que acabou por salvar-lhe a vida, pois assim atingiu uma boia velha, onde esperou por ajuda.

Marat, o filho de Vidam Perevertilov, contou mais tarde ao jornal New Zealand”s Stuff, que o pai “não se lembra de ter caído ao mar”, admitindo mesmo que “pode ter desmaiado”. Na verdade, Vidam disse ao filho que se lembra de ter-se sentindo tonto depois de terminar o turno da noite na casa das máquinas, tendo ido para o convés para se recuperar.

Na prática, Perevetilov, de 52 anos, só se recorda de ter recuperado a consciência ao ver o seu navio afastar-se na escuridão. E a verdade é que a tripulação do Silver Supporter só deu pelo seu desaparecido após seis horas, tendo emitido de imediato um pedido de socorro através da rádio, tendo aeronaves da marinha francesa se juntado às buscas na Polinésia, enquanto os serviços meteorológicos de França monitorizavam ventos e correntes para tentar delimitar a zona onde pudesse estar Vidam.

“A sua vontade de sobreviver era forte, mas disse-me que até ao nascer do lutou para se manter à superfície”, revelou ainda Marat. A verdade é que assim que chegou à boia de pesca abandonada, agarrou-se a ela até ser encontrado, por volta das 18.00 horas. Foi um membro da tripulação do Silver Supporter que ouviu uma voz e um vigia viu um braço levantado do oceano. Quando foi retirado da água, Vidam Perevertilov estava exausto.

Laura Clarke, alta comissária britânica na Nova Zelândia e governadora da Ilha Pitcairn, disse ao New Zealand Herald que ficaram todos “extremamente aliviados” com o resgate. “Todos nós temíamos pelo pior, dado o tamanho do Oceano Pacífico e suas fortes correntes. O fato de o Silver Supporter ter encontrado Vidam e ele ter sobrevivido é simplesmente incrível: uma história de sobrevivência”, finalizou.

O filho de Perevetilov revelou ainda que o seu pai quis deixar a boia de pesca no mar, em vez de guardá-la como recordação. “É engraçado. Ele disse que queria deixá-la para que pudesse salvar a vida de outra pessoa”, revelou.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.