Libanesa com longa ficha em MS é presa por golpes em São PauloBatoul Ali Awala e outras três pessoas são acusados de extorquir comerciantes da Mooca

Correio do Pantanal

13 jan 2023 às 04:43 hs
Libanesa com longa ficha em MS é presa por golpes em São Paulo
Batoul Ali Awala e outras três pessoas são acusados de extorquir comerciantes da Mooca

Por Helio de Freitas, de Dourados | 12/01/2023 16:25
ouça este conteúdo
readme

Celulares, distintivos, algemas, drogas e dinheiro falso encontrados na casa de suspeito (Foto: Divulgação)
Mulher de origem libanesa com extensa ficha criminal em Mato Grosso do Sul foi presa nesta quarta-feira (11) em São Paulo acusada de participar de quadrilha formada por falsos policiais.

Batoul Ali Awala, 36, e outras três pessoas estavam sendo investigadas desde outubro do ano passado, depois de aplicarem golpe em comerciante do tradicional bairro da Mooca.

Em Mato Grosso do Sul, Batoul Ali Awala morou por um tempo em Ponta Porã (a 313 km de Campo Grande), na fronteira com o Paraguai.

A reportagem apurou que ela possui pelo menos 26 antecedentes por estelionato, contrabando e descaminho e outros crimes, como violação de domicílio e ameaça. Uma das denúncias, por estelionato, foi registrada na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) de Dourados no dia 27 de agosto de 2021.

Batoul Awala está presa em São Paulo (Foto: Reprodução)
Prisão em SP – De acordo com o portal R7, em outubro de 2022, Batoul Ali Awala marcou compra de uma carga contrabandeada de 2.000 unidades de cigarros eletrônicos na Mooca. Usando o nome de Andrea, ela se passou por compradora e negociou a carga com Janalyson José dos Santos e Ranielo Santos de Araújo.

No local do encontro para entrega da mercadoria, outros dois integrantes do bando – Ricardo Goulart Salman e Leonardo Arini Mozetic – chegaram de carro descaracterizado e falaram que seriam “delegados do Conselho Federal Parlamentar”.

Como a carga era ilegal, os dois exigiram dinheiro para não prender os comerciantes. Com medo de serem presos, as vítimas transferiram R$ 5.750,00 para Luana Silva Alves, quarta integrante da organização. Os falsos policiais também ficaram com os cigarros eletrônicos.

A investigação da Polícia Civil revelou que os quatro se associaram para prática de crimes e Batoul era responsável em atrair vítimas. Os dois homens se passavam por policiais e Luana recebia o dinheiro extorquido.

Batoul Awala foi presa na região da Mooca. Leonardo Mozitec foi preso na região do Sacomã, na zona sul da capital paulista. Os endereços de Luana e Ricardo também foram alvos de mandados, mas os dois não foram localizados.

Na residência de Leonardo Mozitec foi encontrada a viatura falsa, além de computadores, celulares, distintivos, algemas, drogas e grande quantidade de dinheiro falso. Batoul Awala também estava com dinheiro falso.

  • CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS
ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.