Justiça de MS condena jardineiro serial killer a mais de 18 anos de prisão por crime praticado em 2016

Correio do Pantanal

30 jun 2018 às 09:30 hs
Justiça de MS condena jardineiro serial killer a mais de 18 anos de prisão por crime praticado em 2016

Este foi o 1º julgamento de Nando, de um total de 13. Polícia acredita que réu seja responsável pela morte de ao menos 16 pessoas.

Dois foram julgados nesta sexta-feira; um é conhecido como serial killer (Foto: Osvaldo Nóbrega/TV Morena)

O jardineiro Luiz Alves Martins Filho, conhecido como Nando do Danúbio Azul, acusado de ser serial killer por ter matado diversas pessoas e escondido os corpos, foi condenado a 18 anos e três meses de prisão, por um crime em 2016. A sentença foi proferida nesta sexta-feira (29), pela 2ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande.

De acordo com o juiz Aluizio Pereira dos Santos, que realizou o julgamento, o júri foi por conta do assassinato de um rapaz em abril daquele ano, no bairro Jardim Veraneio. Além de Nando, mais dois são acusados pelo crime. Um deles, Jean Marlon dias Domingues, foi condenado a 15 anos e seis meses de reclusão.

Já o outro envolvido, por falta de defesa, será julgado em outra data. Ambas as penas são em regime fechado.

Segundo o poder judiciário, os três teriam matado a vítima estrangulada, com golpes de chave de fenda e facadas. Depois, enterraram o corpo. O motivo do crime seria dívida de dinheiro e desentendimento.

Para o Ministério Público de Mato Grosso do Sul (MPE-MS), o trio agiu por motivo torpe, usando de dissimulação e superioridade numérica, o que dificultou a defesa da vítima.

Entenda o caso

Conforme as informações do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJ-MS), este foi o 1º júri popular de Nando, de um total de 13.

O jardineiro já foi condenado a 29 anos, 10 meses e 10 dias de prisão por tráfico de drogas e favorecimento da prostituição ou de outra forma de exploração sexual de criança ou adolescente. Contra ele já há sentença condenatória também por atentado violento ao pudor. O juiz Marcelo Ivo de Oliveira, titular da 7ª Vara Criminal de Campo Grande, ainda o condenou a mil dias-multa.

Para a polícia, Nando é responsável pela morte de 16 pessoas. O jardineiro disse que os crimes em série começaram há 5 anos. A primeira ossada foi encontrada no dia 17 de novembro de 2016, durante as investigações de 10 desaparecidos no bairro Danúbio Azul. O local é bem conhecido por Nando e fica ao lado do bairro onde as vítimas sumiram.

Das 16 vítimas que Nando assumiu ter matado, a polícia suspeita que ele tenha enterrado 13, sendo que 10 foram localizadas durante as escavações e as outras três podem ter ser sido enterradas em outros locais.

*Supervisionado pela jornalista Graziela Rezende

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.