Gêmeas siamesas que nasceram unidas pela parte de trás da cabeça em Israel conseguem finalmente se ver após cirurgia

Correio do Pantanal

5 set 2021 às 20:44 hs
Gêmeas siamesas que nasceram unidas pela parte de trás da cabeça em Israel conseguem finalmente se ver após cirurgia

Hospital anunciou, neste domingo, que a operação durou mais de 12 horas e envolveu dezenas de especialistas, inclusive do exterior. Veja a foto das bebês de 1 ano fazendo contato visual.

TOPO

Por Dan Williams, Reuters

05/09/2021 18h03  Atualizado há 3 horas


Imagem divulgada em 5 de setembro de 2021 pelo Soroka Medical Center, em Israel, mostra gêmeas de um ano fazendo contato visual após terem se submetido a uma rara cirurgia de separação; as meninas, que não tiveram os nomes divulgados, nasceram unidas pela parte de trás da cabeça e uma de costas para a outra — Foto: Soroka Medical Center via Reuters

Imagem divulgada em 5 de setembro de 2021 pelo Soroka Medical Center, em Israel, mostra gêmeas de um ano fazendo contato visual após terem se submetido a uma rara cirurgia de separação; as meninas, que não tiveram os nomes divulgados, nasceram unidas pela parte de trás da cabeça e uma de costas para a outra — Foto: Soroka Medical Center via Reuters

Duas gêmeas siamesas de um ano que nasceram unidas pela parte de trás cabeça e de costas uma para outra finalmente conseguiram fazer contato visual pela primeira vez após terem passado por uma rara cirurgia de separação em Israel.

O Soroka Medical Center anunciou, neste domingo (5), que a operação durou mais de 12 horas e envolveu dezenas de especialistas de Israel e do exterior. Foram meses de preparação.

“Esta foi uma cirurgia rara e complexa que foi realizada apenas 20 vezes em todo o mundo [anteriormente] e agora, pela primeira vez, em Israel”, disse Mickey Gideon, neurocirurgião pediátrico chefe do hospital, localizado na cidade de Beersheba.

Fotos na imprensa israelense mostraram as gêmeas – que não tiveram os nomes divulgados – frente a frente em um berço, com as cabeças enfaixadas. O comunicado Soroka cita que o procedimento envolveu reconstrução craniana e enxertos de couro cabeludo nas duas bebês.

“Elas estão se recuperando bem. Estão respirando e comendo”, disse Eldad Silberstein, chefe do departamento de cirurgia plástica de Soroka, ao Canal 12 de Israel.

No Brasil, um caso bem-sucedido de separação de siameses nos últimos anos foi o das gêmeas Mel e Lis, que também nasceram unidas pela cabeça. Em 2019, elas passaram por uma complexa cirurgia de separação em um hospital de Brasília. Veja, no vídeo abaixo, o primeiro reencontro delas após a operação:

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.