Furacão Willa perde força e é rebaixado para depressão tropical no México
  • piramide

Correio do Pantanal

24 out 2018 às 16:59 hs
Furacão Willa perde força e é rebaixado para depressão tropical no México

Por France Presse


Estrutura desaba em Escuinapa, no sul do estado de Sinaloa, depois da passagem do furacão Willa, no México, nesta quarta-feira (24)  — Foto: Henry Romero/Reuters
Estrutura desaba em Escuinapa, no sul do estado de Sinaloa, depois da passagem do furacão Willa, no México, nesta quarta-feira (24) — Foto: Henry Romero/Reuters

A tempestade Willa, que tocou o solo na noite de terça-feira como um furacão de categoria 3 na costa mexicana do Pacífico, foi rebaixada nesta quarta-feira (24) para a categoria de depressão tropical, termo usado para sistemas em que os ventos não ultrapassam os 62 km/h. Mais de 4.200 pessoas precisaram abandonar suas casas preventivamente.

O Centro Nacional de Furacões (NHC), com sede em Miami, informou no boletim mais recente que Willa ainda pode provocar fortes chuvas no centro-oeste e norte do México, mas que o fenômeno deve se dissipar nas próximas horas.

Furacão Willa perde força ao chegar ao México
Furacão Willa perde força ao chegar ao México

Mais cedo, com ventos de 195 km/h, ele passava pelo estado de Durango, a 90 km de Mazatlan, e se movia a 28 km/h para o nordeste do país.

Antes de perder força, Willa afetou também os estados de Sinaloa, Nayarit, Jalisco e Zacatecas, assim como a Ilhas Marias, onde fica uma prisão federal com quase 1.000 detentos, segundo a imprensa mexicana.

Árvore cai em um carro em Escuinapa, no sul do estado de Sinaloa, depois da passagem do furacão Willa, no México, nesta quarta-feira (24)  — Foto: Henry Romero/ Reuters
Árvore cai em um carro em Escuinapa, no sul do estado de Sinaloa, depois da passagem do furacão Willa, no México, nesta quarta-feira (24) — Foto: Henry Romero/ Reuters

Riscos de deslizamentos

Como o solo está saturado, o Serviço Meteorológico Nacional (SMN) do México alertou para possíveis deslizamentos de terra e alagamentos. O governo levou os 4.250 deslocados para 58 abrigos temporários.

Mulher carrega bebê e seus pertences até abrigo em Escuinapa, em Sinaloa, no México, na terça-feira (23)  — Foto: Alfredo Estrella / AFP
Mulher carrega bebê e seus pertences até abrigo em Escuinapa, em Sinaloa, no México, na terça-feira (23) — Foto: Alfredo Estrella / AFP

Em um refúgio da comunidade de Escuinapa, Sinaloa, estavam reunidos 2.500 moradores. A maioria deles moram em casas construídas com material frágil em pequenos vilarejos da região dedicados à pesca.

Muitos moradores estavam preocupados porque foram obrigados a abandonar seus poucos pertences.

Em setembro, amplas zonas do Pacífico mexicano foram afetadas por fortes chuvas que deixaram pelo menos 15 mortos.

Na semana passada, 11 pessoas, incluindo sete menores de idade, morreram em inundações em Oaxaca, na costa do Pacífico sul.

Rua alagada por chuvas trazidas pelo furacão Willa é vista em Escuinapa, no estado de Sinaloa, no México, na terça-feira (23) — Foto: Alfredo Estrella/AFP
Rua alagada por chuvas trazidas pelo furacão Willa é vista em Escuinapa, no estado de Sinaloa, no México, na terça-feira (23) — Foto: Alfredo Estrella/AFP
Casal e cão aguardam a chegada do furacão Willa, em Mazatlan, no México, na terça-feira (23)  — Foto: Marco Ugarte/AP
Casal e cão aguardam a chegada do furacão Willa, em Mazatlan, no México, na terça-feira (23) — Foto: Marco Ugarte/AP
Furacão Willa — Foto: Alexandre Mauro/G1
Furacão Willa — Foto: Alexandre Mauro/G1
ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.