EUA compram mais 100 milhões de doses da vacina da Johnson

Correio do Pantanal

10 mar 2021 às 15:10 hs
EUA compram mais 100 milhões de doses da vacina da Johnson
Vacina unidose da Johnson & Johnson considerada eficaz pelos EUA
Vacina unidose da Johnson & Johnson considerada eficaz pelos EUAFoto: Joseph Prezioso / AFP

JN/AgênciasHoje às 16:52

EUA compram mais 100 milhões de doses da vacina da Johnson

Os Estados Unidos vão comprar 100 milhões de doses adicionais da vacina contra a covid-19 da Johnson & Johnson, duplicando o pedido inicial.

O presidente Joe Biden deve discutir o assunto durante uma reunião, ainda esta quarta-feira, com executivos da Johnson & Johnson e com outro grupo farmacêutico norte-americano, a Merck, que anunciou na semana passada que tinha fechado um acordo para produzir a vacina.

“O presidente anunciará que vai pedir (…) para que se comprem 100 milhões de doses adicionais da vacina Johnson & Johnson”, disse uma fonte governamental.

Os Estados Unidos já efetuaram pedidos para receber até ao final de maio doses suficientes para imunizar todos os adultos residentes nos EUA.DOSES DE VACINAS ADMINISTRADAS NO MUNDO CRESCERAM 20% NA ÚLTIMA SEMANAVER MAIS

A Johnson & Johnson, cuja vacina foi autorizada no final de fevereiro pelas autoridades de saúde norte-americanas e que requer apenas uma dose, já se tinha comprometido a entregar 100 milhões de doses aos Estados Unidos.

O pedido adicional poderá compensar possíveis problemas de produção das outras duas vacinas autorizadas no país, as da Pfizer/BioNTech e a Moderna, às quais o Governo dos Estados Unidos encomendou 300 milhões de doses cada.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.611.162 de mortos no mundo, resultantes de mais de 117,5 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.Partilhe este artig

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.