Perguntas sem respostas, um mistério indecifrável: Os 5 anos do acidente de Michael Schumacher
  • Projetando

Correio do Pantanal

9 set 2019 às 23:51 hs
Perguntas sem respostas, um mistério indecifrável: Os 5 anos do acidente de Michael Schumacher

Heptacampeão de Fórmula 1 sofreu grave acidente nos Alpes Franceses em dezembro de 2013. Estado clínico do alemão ainda é uma incógnita; confira uma linha do tempo dos acontecimentos

Por Daniel Fideli e Pedro Lopes — São Paulo, SP

Perguntas sem respostas, um mistério indecifrável: Os 5 anos do acidente de Michael Schumacher

Infoesporte

Com sete títulos na Fórmula 1, Michael Schumacher é o maior campeão da história da categoria. Esta é uma informação incontestável, factual. No entanto, desde que sofreu um grave acidente nos Alpes Franceses em 2013, tudo que envolva o nome do alemão parece estar envolto em um mistério indecifrável. Qual a real condição de Schumacher? Ele consegue se comunicar? Pode voltar a andar? São cinco anos de perguntas sem respostas. O GloboEsporte.com preparou uma linha do tempo especial para destacar o que de mais importante aconteceu ao longo dessa história.

ACIDENTE

O hospital em Lausanne, na Suíça, a terceira casa de Schumacher após o acidente — Foto: Infoesporte

O hospital em Lausanne, na Suíça, a terceira casa de Schumacher após o acidente — Foto: Infoesporte

O local do acidente de Michael Schumacher nos Alpes Franceses — Foto: Infoesporte

O local do acidente de Michael Schumacher nos Alpes Franceses — Foto: Infoesporte

29/12/2013
O acidente

Michael Schumacher sofreu um grave acidente de esqui, em Méribel, na França, às 11h07m locais (8h07m no horário de Brasília) do dia 29 de dezembro de 2013. O alemão teve um trauma ao bater a cabeça em uma pedra e foi levado de helicóptero ao hospital Moutier, a 17 km dali, menos de dez minutos após a queda na Estação de Esqui. Posteriormente, foi removido para outro hospital, em Grenoble, sudeste da França. Segundo comunicado oficial, Schumacher estava em estado crítico e seria operado naquele mesmo dia.

30/12/2013
Médicos falam

No dia seguinte, os médicos e um porta-voz do Centro Hospitalar Universitário de Grenoble concederam entrevista coletiva para esclarecer o quadro do ex-piloto. Eles negaram a necessidade de uma segunda cirurgia e revelaram que Michael seria mantido em coma induzido. O médico Stéphane Charbardes ressaltou que, apesar de amenizar o impacto, a proteção na cabeça não impediu que o alemão sofresse lesões graves. O impacto em alta velocidade atingiu o lado direito do crânio, gerando “grave traumatismo, hematomas intracranianos e um edema difuso”.

3/1/2014
Sangue na neve

A agência “AFP” divulgou uma foto da área onde o heptacampeão da Fórmula 1 se acidentou na França. É possível ver sangue na neve do local, que conta também com muitas pedras. No dia 1º de janeiro, o jornal alemão “Bild” foi o primeiro a divulgar uma foto do resgate de Schumacher. De acordo com a publicação, a imagem tinha sido tirada por um esquiador que estava em um dos teleféricos na Estação de Esqui. No entanto, não é possível identificar ou saber exatamente onde está o ex-piloto alemão na imagem.

8/1/2014
Fora da pista

Segundo o Ministério Público de Albertville e a Polícia francesa, Schumacher estava a oito metros fora da pista quando atingiu uma pedra, perdeu o equilíbrio e acertou outra rocha. No vídeo da câmera acoplada ao seu capacete, ele não aparece ajudando nenhuma pessoa, contrariando a versão da assessora do ex-piloto, Sabine Kehm. O procurador Patrick Quincy, responsável pelo caso, evitou falar em “imprudência” e afirmou que foram ouvidas testemunhas, socorristas e peritos que foram ao local do acidente.

MELHORA

Sabine Kehm, a porta-voz da família Schumacher — Foto: Infoesporte

Sabine Kehm, a porta-voz da família Schumacher — Foto: Infoesporte

17/1/2014
“Estável”

No 20º dia de coma após o acidente, Sabine Kehm, porta-voz de Schumacher, emitiu um comunicado falando sobre o quadro clínico do ex-piloto. Ao contrário do que vinha acontecendo até então, Sabine classificou o estado do alemão como “estável”, ao invés de “estável, porém crítico”. Ela também aproveitou para ressaltar que qualquer rumor a respeito da saúde de Michael deveria ser desconsiderado por fãs e imprensa. Isso serviu como resposta a uma série de especulações publicados por jornais mundo afora.

16/6/2014
Saída do coma

Depois de alguns meses sem grandes novidades, Sabine Kehm anunciou que Schumacher tinha enfim saído do coma. Através de comunicado oficial, a assessora do ex-piloto afirmou que ele seria transferido do Hospital de Grenoble, na França. O local não foi divulgado, mas pouco depois o Centro Hospitalar Universitário de Vaud, em Lausanne, na Suíça, confirmou que o alemão deu entrada no local na manhã do dia 16 de junho. Na semana anterior, Michael já tinha sido transferido da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para uma ala de reabilitação do hospital francês.

6/8/2014
Prontuários roubados

Uma grande polêmica envolveu a transferência de Schumacher da França para a Suíça. Segundo Sabine Kehm, prontuários médicos do ex-piloto tinham sido “claramente roubados” e oferecidos à imprensa europeia por aproximadamente 50 mil euros (R$ 152 mil no câmbio da época). No mês seguinte à declaração, mais precisamente no dia 6 de agosto de 2014, um homem acusado de vazar os prontuários foi encontrado enforcado dentro de sua cela, em Zurique, na Suíça. Ele havia sido preso um dia antes e era diretor da “Rega”, empresa que fez o transporte de Michael.

RECUPERAÇÃO

Philippe Streiff: ex-piloto visitou o amigo em sua casa na Suíça — Foto: Infoesporte

Philippe Streiff: ex-piloto visitou o amigo em sua casa na Suíça — Foto: Infoesporte

9/9/2014
Ida para casa

Após quase três meses no hospital de Lausanne, na Suíça, Schumacher foi transferido para casa. Segundo nota de Sabine Kehm, o heptacampeão da Fórmula 1 apresentou progressos em seu quadro clínico e continuaria o tratamento na mansão de sua família, na pequena cidade de Gland, às margens do Lago Léman, também na Suíça. Entretanto, a assessora afirmou também que não se deveria presumir que grandes mudanças no estado de saúde seriam as razões para a mudança no local do tratamento.

20/11/2014
Cadeira de rodas

Philippe Streiff, ex-piloto da Fórmula 1 e amigo pessoal de Schumacher, visitou o heptacampeão em sua casa, na Suíça. As notícias, porém, não foram as mais animadoras. Em entrevista à rádio francesa “Europe 1”, ele afirmou que, apesar de estar melhorando, Michael estava paralisado e em uma cadeira de rodas, sem conseguir falar e enfrentando problemas de memória. Esse foi o primeiro relato mais detalhado de alguém que tivesse visto o alemão pessoalmente após o acidente nos Alpes Franceses.

1/1/2015
Reações

Desde que sofreu o acidente na França, Schumacher permaneceu fora dos olhares do público. Rumores nunca faltaram, mas nada oficial jamais foi dito sobre o real estado clínico do alemão, nenhuma imagem revelada. Logo no primeiro dia do ano de 2015, a revista italiana “Autosprint” foi mais uma a especular sobre o ex-piloto. Através de declarações colhidas de pessoas próximas a Michael, a publicação afirmou que ele continuava preso a uma cadeira de rodas e chorava ao ouvir as vozes dos filhos Mick e Gina Marie, além da esposa Corinna, porém sem esboçar movimento.

FAMÍLIA

Gina-Marie, Mick e Corinna Schumacher — Foto: Infoesporte

Gina-Marie, Mick e Corinna Schumacher — Foto: Infoesporte

27/4/2015
Mick, o filho prodígio

Seguindo os passos do pai no automobilismo, Mick Schumacher estreou nos monopostos em 2014, correndo na F4 Alemã. A primeira vitória não demorou muito a vir e, aos 16 anos de idade, Mick faturou o primeiro lugar em corrida no circuito de Oschersleben, na Alemanha. Felipe Massa, que teve Michael como grande mentor na Ferrari, parabenizou, nas redes sociais, o trabalho do garoto: “Parabéns irmãozinho. Gostei! Bom começo”. Sebastian Vettel, tetracampeão da Fórmula 1, também comentou a vitória de Mick: “Ele faz tudo muito bem e se diverte pilotando”.

11/5/2015
Problemas financeiros

Durante todo o período de reclusão de Schumacher, muito se especulou quanto à problemas financeiros que a família estaria passando. Na primeira metade do ano de 2015, a revista alemã “Bunte” noticiou que Corinna havia vendido o avião particular de Michael e a casa de férias da família. Com as duas vendas, a esposa de Michael teria embolsado aproximadamente 25 milhões de euros (R$ 155 milhões no câmbio da época). Segundo o jornal britânico “Mirror”, o gasto com o tratamento caseiro do heptacampeão girava em torno de 140 mil euros por semana.

13/11/2016
Redes sociais

O ano de 2016 foi de poucas novidades sobre o estado clínico de Schumacher. Entretanto, a assessoria de imprensa do ex-piloto resolveu atender a um pedido dos fãs, criando contas nas redes sociais. Através de plataformas como o Facebook e Instagram, a família passou a celebrar a vida do heptacampeão da Fórmula 1 através de postagens que relembravam momentos importantes da carreira de Michael. A ação, inclusive, foi feita no dia em que ele comemorava 22 anos do primeiro título mundial na categoria máxima do automobilismo mundial.

17/04/2017
Corinna reaparece

Sempre longe dos holofotes desde o acidente do marido, Corinna reapareceu publicamente em abril de 2017. Na ocasião, ela esteve acompanhada de Jean Todt, ex-chefe de Schumacher na Ferrari e presidente da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), para acompanhar a primeira corrida de Mick na Fórmula 3 Europeia. Ela até posou para uma foto ao lado do dirigente francês. Já o garoto, que vinha de dois vice-campeonatos na F4, teve um sexto lugar como o melhor resultado na rodada tripla disputada no autódromo de Silverstone, na Inglaterra.

LEGADO

Michael Schumacher é o recordista de vitórias na Fórmula 1 — Foto: Infoesporte

Michael Schumacher é o recordista de vitórias na Fórmula 1 — Foto: Infoesporte

28/08/2017
Emoção em Spa

Para homenagear a primeira vitória de Michael na Fórmula 1, a Liberty Media organizou uma verdadeira celebração no circuito de Spa Francorchamps. No palco do primeiro dos 91 triunfos do pai, Mick acelerou a Benetton B194, com a qual o heptacampeão faturou o título mundial de 1994. Para a ocasião, o filho do alemão também preparou um capacete especial: um layout com metade do casco pintada com as cores do capacete de Michael e a outra metade com o desenho do próprio Mick. Ao final, o garoto classificou a experiência como “ótima” e se disse “espantado” com o carro.

16/11/2017
Leilão da Ferrari F2001

No final do ano, o nome Schumacher voltou aos jornais, mas não por nenhuma notícia que fosse relacionada ao estado de saúde do piloto. No caso, o carro usado pelo alemão em seu tetracampeonato na Fórmula 1, que foi leiloado em Nova York, nos EUA, pela bagatela de 7,5 milhões de dólares (R$ 24, 6 milhões no câmbio da época). A iniciativa de se desfazer do carro campeão foi da própria escuderia de Maranello, em celebração dos 70 anos da empresa italiana. O leilão feito pela Casa Sotheby’s superou as expectativas de valor, que giravam em torno de 4 a 5 milhões de dólares.

19/12/2017
Fotos milionárias

O final do ano ainda guardou mais uma polêmica para a família Schumacher. Um desconhecido teria conseguido tirar fotos do heptacampeão, em sua cama, na mansão que vive em Genebra. Ele estaria oferecendo as imagens a veículos de imprensa da Europa por 1 milhão de libras (R$ 4,2 milhões no câmbio da época). O caso gerou a abertura de uma investigação, já que as fotografias violam o direito à privacidade de Michael, para determinar quem tirou e as fotos e como foi possível retirá-las da mansão do ex-piloto sem que o staff percebesse.

13/10/2018
Tal pai, tal filho

Com o segundo lugar na segunda corrida da rodada tripla da F3 Europeia em Hockenheim, Mick Schumacher garantiu o título do campeonato. Aos 19 anos de idade, ele repetiu o feito de 28 anos do pai heptacampeão da Fórmula 1. Com o resultado, o piloto alemão chegou aos 347 pontos, contra 286 do rival Dan Ticktum, da academia de jovens pilotos da RBR. Ao todo, Mick acumulou oito vitórias na temporada, todas a partir da segunda metade do campeonato. Ticktum, inclusive, sugeriu que algo “estranho” teria acontecido para tamanha melhora repentina de rendimento.

28/11/2018
Estado vegetativo

Em entrevista à revista alemã “Bunte”, o arcebispo Georg Gänswein, também da Alemanha, afirmou que visitou Schumacher em 2016, em sua casa na Suíça. Ele disse que o ex-piloto “consegue sentir as pessoas ao redor dele”. Em outubro, Jean Todt já havia revelado que mantinha constante contato com a família de Michael. O francês disse ao jornal inglês “The Times” que visita o amigo “pelo menos duas vezes por mês”. No mês seguinte, o dirigente da FIA acrescentou que tinha assistido o GP do Brasil ao lado de Michael.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.

%d blogueiros gostam disto: