Vítima de fake news, coxinense “é preso com drogas” por quem não tem responsabilidade

Correio do Pantanal

27 set 2018 às 10:56 hs
Vítima de fake news, coxinense “é preso com drogas” por quem não tem responsabilidade

Sheila Forato

Bernadelli foi dado como preso por suspeita de tráfico (Foto: Sheila Forato)

As redes sociais, sem dúvidas, são uma conquista da sociedade. Contudo, o uso irresponsável tem causado danos, principalmente morais, aqueles que são vítimas de quem compartilha tudo, sem qualquer apuração. A situação é tão absurda que em alguns casos, como o que passamos a narrar, a imprensa vê a necessidade de fazer uma reportagem, desmentindo uma informação falsa, que se alastrou entre os moradores de Coxim.

A vítima é o caminhoneiro Márcio Aurélio Silva, o Bernadelli, de 40 anos. Morador de Coxim, casado e pai de uma filha de 8 anos, ele viu a vida se transformar num inferno nas últimas horas. É que fotos sua, de um colega e outro conhecido circularam nas redes sociais, principalmente grupos de whatsapp, junto com uma foto de apreensão de drogas. A informação que acompanhava era que eles tinham sido presos com uma grande quantidade de maconha no Mato Grosso, estado vizinho.

As mesmas fotos e informações chegaram a redação do Edição MS, que entrou em contato com várias delegacias do Mato Grosso, fornecendo o nome do coxinense que era apontado como traficante. Porém, nenhuma delegacia confirmou a prisão de Bernadelli. Já a foto das drogas foi localizada por nossa equipe numa reportagem de apreensão de maconha, feita no último sábado (22), em Rondonópolis (MT).

Entretanto, nem o morador de Coxim, tão pouco os dois colegas, tem envolvimento com esse caso. É fake news.

Imagens feitas por policiais vazaram e circularam nas redes sociais junto com foto e informações de apreensão de drogas (Foto: Reprodução WhatsApp)

Entenda o que aconteceu

O fato é que Bernadelli, junto com um colega de Campo Grande, Alex Lima, foram até Rondonópolis na sexta-feira (21) olhar uns veículos, pois estão a procura de caminhões para comprar e, consequentemente, trabalhar. Ao chegarem na cidade, o outro conhecido, identificado pelo coxinense como Jorge, foi a rodoviária buscar a dupla. Eles entraram no carro e andaram por aproximadamente 10 metros quando a polícia fechou o trio.

“Os policiais pediram pra gente descer com as mãos na cabeça e nós atendemos. Em seguida solicitaram nossos documentos e começaram as averiguações. Era por volta das 16 horas. Ligam pra um, pra outro, até que decidem nos algemar e encaminhar para uma delegacia da cidade, onde ficamos por aproximadamente três horas. Fizeram várias perguntas, insistentemente, suspeitando que estávamos envolvidos com tráfico de drogas. Em determinado momento pediram para fazer fotos nossas, dos documentos e disseram que estávamos liberados”, relatou Bernadelli.

Segundo o coxinense, em nenhum momento eles foram informados que tinham direito a ligar para um parente ou qualquer outra pessoas que pudessem os auxiliar. Foram três horas detidos, em poder da polícia, sem saber ao certo o que estava acontecendo. Já passava das 19 horas quando foram para a casa do tio de um dos colegas, onde dormiram e no dia seguinte seguiram a programação normal, de olhar os caminhões, retornando para suas respectivas cidades no final da tarde.

Diego Francisco (e), advogado de Bernadelli, lamentou o ocorrido (Foto: Sheila Forato)

A confusão começou porque as fotos feitas por policiais na delegacia vazaram e logo tomaram conta das redes sociais junto com informações falsas. Um dos advogados do escritório que está cuidando do caso de Bernadelli lamentou o ocorrido. Diego Francisco antecipou que vai acionar o estado do Mato Grosso para reparar os danos causados ao coxinense e não descarta a possibilidade de acionar quem também está compartilhando.

De acordo com o advogado, é preciso ter cautela ao divulgar uma informação. “Sempre se certificar da veracidade do fato, evitando cometer crimes passíveis de processos de indenização por danos morais”, ponderou Diego Francisco. Além da ação de reparação de danos, a defesa de Bernadelli já registrou o fato na corregedoria da Polícia Civil, no Mato Grosso. Nesta quarta-feira (26) eles também vão procurar a delegacia de Coxim, para registro de um boletim de ocorrência.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.

%d blogueiros gostam disto: