Trump diz que teria enfrentado assassino mesmo sem armas

Correio do Pantanal

27 fev 2018 às 05:36 hs
Trump diz que teria enfrentado assassino mesmo sem armas

REUTERS/JONATHAN ERNST

Donald Trump diz que se for preciso vai lutar contra o lóbi das armas

O presidente dos Estados Unidos disse esta segunda-feira que teria corrido para dentro da escola para enfrentar o atirador Nikolas Cruz, mesmo desarmado. Donald Trump criticou assim os polícias que estavam na escola Marjory Stoneman Douglas, em Parkland, mas que não entraram para impedir o tiroteio, que fez 17 mortos. “Francamente mau”, disse.

“Não sabemos até ser testados, mas eu acho, acredito realmente que teria corrido para lá mesmo que não estivesse armado”, disse Trump, depois de uma reunião com governadores, em parte para discutir a segurança nas escolas, um tema no centro do debate nacional dos EUA desde o massacre na Florida.

Trump garantiu também que se for preciso “vai lutar” contra o poderoso grupo de pressão que se opõe ao controlo da venda de armas, a Associação Nacional da Espingarda (NRA, na sigla em inglês), sua apoiante.

Trump disse ainda que poderia resolver facilmente as suas diferenças com a NRA, lóbi com quem mantido uma relação estreita, no debate sobre a forma de prevenir novos tiroteios nas escolas do país. “Não se preocupem com a NRA. Estão do nosso lado. Metade de vocês tem medo da NRA. Não há nada que recear”, declarou. “E sabem que mais? Se não estão connosco, vamos ter que lutar com eles de vez em quando. Isso não é mau. Estão a fazer o que consideram correto”, acrescentou.

A NRA já se opôs a duas propostas de Trump: a de aumentar de 18 para 21 anos a idade mínima para comprar uma espingarda semiautomática, na lei federal norte-americana, e a proibir os ‘aceleradores de disparos’, uns dispositivos que se colocam nas culatras das armas para as transformar em semiautomáticas.

Trump, que há quase um ano prometeu à NRA que teria “um amigo na Casa Branca” e recebeu 30 milhões de dólares deste lóbi para financiar a sua campanha eleitoral, revelou hoje que tinha almoçado no fim de semana com os líderes da organização, Wayne LaPierre e Chris Cox, para aproximar posições.

Donald Trump pediu também que se aumentasse o número de instituições psiquiátricas no país, para internar pessoas como o autor do recente tiroteio em Parkland, no Estado da Florida, durante uma reunião na Casa Branca com a maioria dos governadores do país.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.

%d blogueiros gostam disto: