Trump acusa FBI de se preocupar com a Rússia em vez de evitar tiroteios

Correio do Pantanal

19 fev 2018 às 06:51 hs
Trump acusa FBI de se preocupar com a Rússia em vez de evitar tiroteios

Donald e Melania Trump estiveram na Florida após o tiroteio e foram recebidos pelo senador Marco Rubio (à esq.) e responsáveis policiais

  |  REUTERS/ERIC THAYER

Sobreviventes da Florida voltaram a pedir mais controlo no acesso às armas. Doador republicano vai cortar fundos até as leis mudarem

Donald Trump acusou ontem o FBI e os legisladores que estão a investigar a interferência russa nas presidenciais de 2016, afirmando que a concentração excessiva na Rússia levou os investigadores federais a deixar escapar pistas que poderiam ter evitado o tiroteio da passada semana numa escola da Florida, no qual morreram 17 pessoas.

Numa série de mensagens no Twitter publicadas durante o fim de semana, Trump acusou Barack Obama de não ter feito o suficiente para travar a interferência russa, garantindo ainda que nunca negou a existência desta. Estas mensagens seguem-se ao anúncio de que a equipa do conselheiro especial Robert Mueller acusou 13 pessoas e três entidades russas de conspiração para influenciar as presidenciais norte-americanas de 2016.

“Muito triste que o FBI falhou todos os muitos sinais enviados pelo atirador da escola da Florida. Isto não é aceitável. Eles estão a gastar demasiado tempo a tentar provar o conluio russo com a campanha Trump – não existe conluio. Regressem ao básico e deixem-nos orgulhosos!”, tweetou ontem o presidente dos EUA. “Se era o OBJETIVO da Rússia criar discórdia, perturbação e o caos nos EUA então, com todas as audiências, investigações e ódio partidário, eles conseguiram mais do que os seus sonhos mais loucos. Eles estão a rir em Moscovo. Põe-te esperta América!”, escreveu ainda.

Nikolas Cruz, de 19 anos, está em prisão preventiva e acusado de 17 crimes de homicídio premeditado pelo tiroteio no Liceu Marjory Stoneman Douglas em Parkland, Florida, na quarta-feira. Dois dias depois o FBI reconheceu que não investigou uma denúncia de que o jovem tinha uma arma e o desejo de matar. Logo no dia do incidente Trump veio a público dizer que Cruz era um doente mental, nunca mencionando a palavra armas.

Os sobreviventes deste tiroteio vindo pedir uma mudança da legislação para que existe um maior controlo de armas, pedido que foi reforçado num comício que teve lugar no sábado. “Temos de ter em atenção que isto não é apenas uma questão de saúde mental”, declarou Emma Gonzalez, de 18 anos, aluna na Liceu Marjory Stoneman Douglas, perante as centenas de pessoas que assistiram ao comício. O atirador “não teria atingido tantos estudantes com uma faca!”, gritou a jovem, que ainda criticou Trump por ter revertido uma ordem executiva de Barack Obama que tinha como objetivo impedir que doentes mentais pudessem comprar armas.

O Senado da Florida retirou, na sexta-feira, de discussão uma proposta de lei republicana que iria permitir a circulação dentro das escolas de voluntários treinado ou funcionários armados, depois de vários senadores se terem recusado a considerar o documento.

A nível nacional, o tiroteio da Florida tem levado vários republicanos a irem contra o sentido tradicional do seu partido (mais favorável aos portadores de armas). “Leis de senso comum sobre armas fazem sentido”, declarou o governador do Ohio, John Kasich. “Não estou a pedir uma proibição total. Estou a falar de pequenos passos que podem ser dados e podem ser efetivos. E o Congresso deveria fazê-lo”. “Herdámos este mundo de escolhas binárias, onde temos de revogar a Segunda Emenda ou acabar com as leis de segurança de armas e as novas gerações de americanos não veem o mundo assim”, defendeu o congressista Carlos Curbelo. “Eu quero fazer algo”.

Um proeminente doador republicano fez este fim de semana um ultimato os líderes do partido: apresentem propostas de lei para o controlar o acesso às armas de armas e banir as armas de assalto ou perdem o meu apoio. Al Hoffman Jr. encorajou ainda outros doadores a seguirem a sua iniciativa.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.

%d blogueiros gostam disto: