Táxi ajudou-o a encontrar filha desaparecida há 24 anos

Correio do Pantanal

4 abr 2018 às 08:59 hs
Táxi ajudou-o a encontrar filha desaparecida há 24 anos

Durante mais de duas décadas tentou encontrar a filha que desapareceu quando ela tinha apenas três anos. Até se tornou taxista para divulgar o caso a um maior número de pessoas

Na China, um pai recusou-se a desistir de procurar a filha que desapareceu em 1994, quando tinha apenas três anos. Incansável, procurou a menina durante 24 anos. Tornou-se taxista com o objetivo de divulgar o caso a um maior número de pessoas. Os esforços compensaram. Hoje, pai e filha, finalmente, reencontraram-se.

Wang Mingqing e a mulher Liu Chengying voltaram a abraçar a filha Qifeng num reencontro emocionante em Chengdu, que está a ser notícia no mundo.

Este é um final feliz de uma história que começou quando Qifeng tinha apenas três anos. Os pais estavam a vender fruta quando, num momento de distração, deixaram de a ver. “Foram apenas cinco minutos e depois a minha filha foi-se embora”, recordou Mingqing, citado pelo South China Morning Post.

O casal de chineses iniciou uma busca inscansável pela filha. Durante anos, colaram cartazes com o rosto da menina, mantiveram contactos com as autoridades, visitaram hospitais e orfanatos à procura de alguma informação sobre o paradeiro de Qifeng. Apesar dos esforços, os pais continuavam sem saber o que tinha acontecido à filha e onde é que ela poderia estar.

Um dia a milha filha pode ser a pessoa que está sentada no meu táxi

Wang Mingqing não quis baixar os braços e decidiu tornar-se taxista em 2015. Falou do desaparecimento da filha às milhares de pessoas que entraram no seu táxi e pediu-lhes que divulgassem o caso nas redes sociais.

Também distribuiu milhares de panfletos. Como não tinha muitas fotos da menina, o pai usou imagens da segunda filha do casal, muito parecida com Qifeng. A história começou a ganhar destaque na comunicação social chinesa e a esperança em reencontrar a filha foi renovada. “Um dia a milha filha pode ser a pessoa que está sentada no meu táxi”, disse Wang Mingqing, citado pela BBC.

Um retratista da polícia teve conhecimento do caso e decidiu ajudar. Desenhou um retrato de Qifeng com os traços de uma mulher adulta. A imagem foi posta a circular pelas redes sociais.

Do outro lado do país, Kang Ying ficou surpreendida pelo facto de se parecer tanto com aquela mulher. No início do ano contactou o taxista, que constatou que ela tinha traços semelhantes ao da filha, incluindo uma cicatriz na testa.

Depois dos testes de ADN, ficou provado que Kang Ying era mesmo filha de Mingqing. A notícia chegou a 1 de Abril, mas não era mentira.

Antes, várias mulheres foram identificadas pela polícia, mas os testes de ADN nunca foram positivos.

“A partir de agora, o pai está aqui. Não precisas de te preocupar com nada. O pai vai ajudar-te”, disse Mingqing na primeira vez que falou com a filha através de uma ligação via Messenger, conforme conta o site chinês The Cover. “Não consigo descrever a esperança, a desilusão e o desespero que vivemos ao longo de 24 anos. Agora podemo-nos encontrar, finalmente”, disse o pai, citado pela BBC.

De acordo com a imprensa chinesa, a menina foi adotada por uma família e mudou de nome. “O mundo inteiro dizia-me que não tinha mãe, mas eu tenho”, disse Kang Ying ao site The Cover.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.

%d blogueiros gostam disto: