Rússia diz que avião militar foi derrubado por defesa da Síria e atribui culpa a Israel

Correio do Pantanal

18 set 2018 às 09:44 hs
Rússia diz que avião militar foi derrubado por defesa da Síria e atribui culpa a Israel

Avião sumiu dos radares durante ataque de Israel contra a Síria. ‘Nos reservamos o direito de responder de maneira adequada’, diz porta-voz do Exército russo.


Por G1

Foto de julho de 2006 mostra avião militar Il-20M em local desconhecido — Foto: Nikita Shchyukin/ AFP

Foto de julho de 2006 mostra avião militar Il-20M em local desconhecido — Foto: Nikita Shchyukin/ AFP

Um avião militar russo com 15 militares a bordo desapareceu no Mar Mediterrâneo, a 35 km da costa da Síria, durante um ataque aéreo de Israel contra o país de Bashar al-Assad. Segundo a Rússia, a aeronave foi abatida por mísseis da defesa antiaérea da sua aliada Síria. O governo russo acusou Israel de provocar a situação e disse que pode responder. Israel lamentou a morte dos militares e culpou o presidente sírio.

O avião “desapareceu dos radares do comando da aviação durante um ataque de quatro aviões israelenses F-16 contra instalações sírias na província de Lataquia”, disse o ministério da Defesa da Rússia.

Lataquia é um reduto do presidente Bashar al-Assad e abriga um grupamento aéreo da Rússia.

Mapa mostra região da queda de avião militar russo — Foto: Juliane Souza/Arte G1

Mapa mostra região da queda de avião militar russo — Foto: Juliane Souza/Arte G1

O avião russo, um turbo propulsor de exploração nomeado Il-20, retornava para a base aérea de Khmeimim, na província de Lataquia.

A perda de contato com a aeronave aconteceu por volta das 23h (hora local) de segunda-feira (17) quando ela estava a 35 km da costa síria. Toda a tripulação morreu.

“O Il-20 foi abatido por um sistema de mísseis S-200 do exército sírio na segunda-feira, o que provocou a morte dos 15 membros da tripulação”, anunciou.

Rússia acusa Israel

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que o governo russo está “extremamente preocupado” e estuda a situação.

O porta-voz do exército russo, Igor Konashenkov, acusou Israel de ser responsável pelo incidente, ao executar uma operação armada contra Lataquia e não avisar em tempo sobre a operação.

“Consideramos hostis estas provocações da parte de Israel e nos reservamos o direito de responder de maneira adequada”, advertiu.

Konashenkov afirmou que o comando militar israelense “não informou” que executaria a operação e a anunciou a Moscou menos de um minuto antes do ataque, o que “não permitiu levar o avião Il-20 para uma zona segura”.

Também acusou os pilotos dos caças israelenses de deliberadamente colocar o avião russo em perigo, ao camuflar-se em seu sinal de radar, colocando assim o Il-20 “sob o fogo da defesa antiaérea síria”.

“Os aviões israelenses criaram deliberadamente uma situação perigosa para os barcos e os aviões que estavam na região. O bombardeio aconteceu perto do local em que estava a fragata francesa Auvergne e muito perto do Il-20”, prossegui.

O ministro russo da Defesa, Sergei Shoigu, avisou seu colega israelense, Avigdor Lieberman, que a Rússia considera Israel culpado pelo incidente.

Envolvimento na guerra da Síria

A Rússia é aliada de Bashar al-Assad na guerra da Síria, que já dura mais de 7 anos e deixou mais de 500 mil mortos, segundo balanço do Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Moscou deu início ao seu apoio militar ao regime sírio em 2015 e, desde então, o governo sírio pôde retomar territórios importantes e estratégicos que estavam ocupados por rebeldes.

Israel bombardeia a Síria mirando a presença de membros da Guarda Revolucionária do Irã e do grupo libanês Hezbollah, que é apoiado por Teerã. O Irã é outro aliado sírio que tem ajudado Assad, com centenas de soldados e algumas bases militares.

Israel teme que os iranianos e o Hezbollah se estabeleçam nas Colinas de Golã, na fronteira sírio-israelense, e bombardeiem o país a partir dali.

Golã é um território sírio que Israel ocupou na Guerra dos Seis Dias de 1967 e anexou mais tarde em uma decisão não reconhecida pela comunidade internacional.

Acordo sobre Idlib

O incidente aconteceu horas após os presidentes da Rússia, Vladimir Putin, e Turquia, Recep Tayyip Erdogan, chegassem um acordo para suspender a ofensiva anunciada do exército sírio contra a província de Idlib.

Os líderes anunciaram a criação de uma zona desmilitarizada de cerca de 20 km que dividirá as posições das tropas governamentais sírias e a oposição armada apoiada pela Turquia.

A província de Idlib, fronteira com Turquia, recebe cerca de 3 milhões de pessoas, incluindo um grande número de opositores deslocados de antigos feudos insurgentes que já foram conquistados pelas forças do governo sírio.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.

%d blogueiros gostam disto: