Ponte que liga Macau a Hong Kong pode estar em risco ainda antes da inauguração

Correio do Pantanal

10 abr 2018 às 09:31 hs
Ponte que liga Macau a Hong Kong pode estar em risco ainda antes da inauguração

MOSTRAR LEGENDA

Engenheiros de Hong Kong estão preocupados com a integridade estrutural da maior ponte marítima do mundo

A entidade que supervisiona a construção da maior ponte marítima do mundo – que vai ligar Hong Kong a Macau e Zhuhai, também conhecida por Ponte do Delta – assegura que não há razões para preocupações com a segurança da estrutura de 55 km. A garantia surge depois de imagens áreas captadas no início do mês terem mostrado aquilo que pareciam ser blocos de betão da barreira protetora de uma das ilhas artificiais – usados para absorverem o impacto das ondas – a flutuarem à deriva no mar.

A construção da ponte de 55 quilómetros que vai ligar Hong Kong, Macau e China – e que se prevê que seja inaugurada ainda em 2018 – é uma enorme obra que envolve a construção de ilhas artificiais, estradas e um túnel subaquático.

De acordo com o jornal The Guardian, as imagens levantaram dúvidas em relação à integridade estrutural da ilha que faz a ligação entre a ponte e o túnel subaquático, mas responsáveis da Autoridade da Ponte do Delta afirmaram que a colocação dos blocos foi intencional.

“[Hong Kong] parece presumir que parte da estrutura afundou … mas foi projetada assim. Não consideramos que exista um problema. Há regras e padrões que seguimos “, disse o vice-diretor, Yu Lie, citado pelo jornal South China Morning Post, de Hong Kong.

A Autoridade da Ponte de Hong Kong-Zhuhai-Macau, já tinha dito, no passado, que os blocos de betão tinham sido propositadamente colocados de forma “aleatória” para aliviar a pressão sobre o túnel.

Também ao Jornal Hoje Macau, a Autoridade da Ponte do Delta – que abarca representantes dos três governos – afirmou que “o empreiteiro construiu em estrita conformidade com o projeto, que foi completamente inspecionado e aprovado atendendo aos padrões exigidos”, acrescentando que a ilha artificial resistiu à devastação do tufão Hato, no verão passado.

No entanto, ao mesmo jornal, as declarações da entidade não descansaram especialistas como Ngai Hok-yan, engenheiro de infraestruturas, que questionou se a proteção será suficiente com apenas uma camada de blocos de betão no ponto de ligação com o túnel. “A nossa prática padrão é usar pelo menos duas camadas para servirem de zona de proteção”, disse ao South China Morning Post, acrescentando que a proteção para a ilha artificial é insuficiente. Segundo Hok-yan, “o túnel pode desprender-se e flutuar com fendas e infiltração de água. Nesse caso, seria o fim do túnel e da ponte também”.

Um outro engenheiro, Albert Lai Kwong-tak, considerou as explicações da Autoridade da Ponte “irrazoáveis”. “Pode haver um problema de assentamento irregular da ilha artificial”, disse o engenheiro, que acredita que o túnel pode estar em risco, mas não a ilha.

O projeto da Ponte do Delta, que está em construção há nove anos, tem sofrido vários atrasos. A inauguração estava prevista para 2016, e de acordo com Hong Kong, estará operacional ainda este ano.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.

%d blogueiros gostam disto: