Pesquisa lista as 25 empresas em que os brasileiros mais sonham em trabalhar

Correio do Pantanal

3 abr 2019 às 17:09 hs
Pesquisa lista as 25 empresas em que os brasileiros mais sonham em trabalhar

Por G1


As empresas dos setores financeiros e de tecnologia são os locais onde os brasileiros mais sonham em trabalhar e construir uma carreira, segundo pesquisa divulgada nesta quarta-feira (3) pelo LinkedIn, que lista as 25 empresas mais desejadas no país.

Os bancos Itaú e Santander lideram a lista LinkedIn Top Companies 2019, seguidos pela Movile, a empresa dona do iFood, Sympla, PlayKids, entre outros. Na sequência, estão Grupo XP, banco Safra e Bayer.

Na edição do ano passado, o Itaú também ficou na primeira posição, seguido por UOL e Unimed. O Santander ocupava o 21º lugar e a Movile não constava na lista. No total, são 16 empresas que figuram pela primeira vez no top 25.

Esta é a quarta edição da lista, elaborada a partir de dados do LinkedIn e de ações dos mais de 36 milhões de usuários brasileiros da plataforma. O ranking leva em conta não só o interesse dos trabalhadores pela empresa como também a interação com os funcionários, demanda por vaga e retenção de talentos.

Para a elaboração da lista, foram consideradas empresas com mais de 500 funcionários, excluindo o LinkedIn e sua controladora Microsoft, agências de emprego e de seleção de pessoal, organizações sem fins lucrativos, instituições educacionais, agências governamentais e entidades públicas.

Veja abaixo a lista das 25 empresas mais desejadas:

  1. Itaú Unibanco
  2. Santander
  3. Movile
  4. Grupo XP
  5. Safra
  6. Bayer
  7. Raízen
  8. IBM
  9. Oracle
  10. BTG Pactual
  11. Resultados Digitais
  12. Bradesco
  13. Vivo
  14. GPA
  15. Suzano
  16. Totvs
  17. Johnson&Johnson
  18. Grupo Heineken
  19. Stone Pagamentos
  20. Gol Linhas Aéreas Inteligentes
  21. BRMalls
  22. Syngenta
  23. Nestlé
  24. Nubank
  25. Ambev
ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.

%d blogueiros gostam disto: