Merkel pede coesão ao partido para permitir governo estável

Correio do Pantanal

26 fev 2018 às 11:12 hs
Merkel pede coesão ao partido para permitir governo estável

A chanceler alemã, Angela Merkel

  |  REUTERS/FABRIZIO BENSCH

A chefe do governo alemão destacou também a importância da eleição pelos delegados da nova secretária-geral, Annegret Kramp-Karrenbauer, sua potencial sucessora

A chanceler alemã, Angela Merkel, pediu hoje coesão ao seu partido, a União Democrata-Cristã (CDU), reunido em congresso para aprovar o acordo para um governo de coligação com o Partido Social-Democrata alemão (SPD).

“Este congresso é importante para o país e para a CDU, o partido destinado a dar o mote para um governo estável”, disse Merkel no discurso de abertura do congresso, em Berlim, perante cerca de mil delegados.

“Temos uma missão clara: participar na constituição de um governo estável e eficaz. As expectativas nesse sentido são muito claras entre a maioria esmagadora dos habitantes do país, mas também além das nossas fronteiras”, acrescentou, referindo-se à União Europeia.

A chanceler destacou em seguida a importância da eleição pelos delegados da nova secretária-geral, Annegret Kramp-Karrenbauer, potencial sucessora de Merkel.

Angela Merkel confirmou no domingo os nomes dos seis ministros que couberam à CDU na repartição de pastas com a CSU e o SPD.

Os novos nomes são: Jens Spahn, destacado militante da ala mais conservadora e um dos mais críticos de Merkel, vai para o Ministério da Saúde, Julia Klöckner para a Agricultura, Helge Braun para o Ministério da Chancelaria e Anja Karliczek para a Educação e Investigação.

Voltam a integrar o executivo, o “braço direito” de Merkel, Peter Altmeier até agora ministro da chancelaria e ministro interino das Finanças que vai assumir a Economia e Energia, e Ursula Von der Leyen, que se mantém na Defesa.

A apresentação ao congresso do acordo e da composição do futuro executivo é um passo mais para a formação de um novo governo de “grande coligação”.

A CDU deve aprovar sem problemas o acordo.

O verdadeiro teste é o referendo interno no SPD, cujos resultados devem ser anunciados no domingo.

 

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.

%d blogueiros gostam disto: