Matava para vender cadáveres à máfia

Correio do Pantanal

23 dez 2017 às 07:55 hs
Matava para vender cadáveres à máfia

Paramédico injetava ar nas veias de doentes na já chamada ‘ambulância da morte’.

Por Francisco J. Gonçalves

Paramédico matou pelo menos três doentes, mas a polícia investiga mais casos suspeitos Direitos Reservados PUBLICIDADE inRead invented by Teads 3 0Um paramédico italiano do serviço de ambulâncias da pequena localidade de Biancavilla, na Sicília, foi detido por suspeita de matar pacientes para vender os cadáveres a uma funerária gerida pela máfia. O homem, de 42 anos, matava as vítimas com uma injeção de ar nas veias e pode estar ligado à morte de 12 pacientes num caso já designado como ‘ambulância da morte’. A detenção do suspeito aconteceu depois de um arrependido da máfia ter denunciado o caso à polícia da cidade de Catânia e a um programa de investigação de uma TV italiana. O homicida injetava ar nas veias dos pacientes que eram transportados para Biancavilla e recebia 300€ por cada cadáver quando as famílias enlutadas aceitavam os seus conselhos e entregavam os funerais à agência controlada pela máfia. Até ao momento, o detido foi ligado à morte de três doentes terminais, mas a polícia detetou 12 outros casos de mortes suspeitas. Alguns indícios sugerem que o esquema macabro da ‘ambulância da morte’ poderia estar a funcionar desde 2012, pelo que não se sabe ao certo quantas pessoas terão sido mortas. Algumas fontes falam de entre 40 e 50 vítimas. Além do suspeito detido, há dois maqueiros do mesmo serviço de ambulâncias que estão a ser investigados no âmbito do mesmo caso.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.

%d blogueiros gostam disto: