Jubileu de ouro sacerdotal de Dom Antonino Migliore

Correio do Pantanal

1 jul 2019 às 20:26 hs
Jubileu de ouro sacerdotal de Dom Antonino Migliore

Dom Antonino Migliore, ao comemorar 50 anos de seu sacerdócio, ressaltou que o mês de junho é sempre um motivo de reflexão para ele e que em tudo sempre contou com a graça de Deus, pois, no dia 07 de junho, data de seu nascimento, Deus o chamou à vida. No dia 29 de junho chamou-o ao Sacerdócio e no dia 23 de junho ao episcopado.

Foi nesse clima de agradecimento que Dom Antonino Migliore recebeu, na Catedral São José dia 29 de junho de 2019, bispos do Regional Oeste I, da CNBB, os párocos e as caravanas de fiéis das 14 paróquias da diocese, numa celebração solene do Jubileu de Ouro de sua ordenação sacerdotal.

“Refletindo sobre esta minha caminhada, percebo que Deus é criativo, nunca se repete, ‘inventa’ sempre algo novo. E o mais interessante é que Ele nunca deixa sozinho aquele que chama. Acompanha e dá a força necessária para cumprir a missão.”, destacou Dom Antonino Migliore, num Testemunho Vocacional que publicou na Revista entre Irmãos.

Dom Antonino disse ainda que Deus sempre o obrigou a se desinstalar chamando-o à missões sempre mais empenhativas. E, numa dessas missões, chamou-o para seu serviço vocacional nas terras sul-matogrossenses. E, para ele, como num verdadeiro sonho missionário deparou-se, em Sonora-MS., com uma realidade social e religiosa completamente nova. Tudo a ser feito, pois tratava-se de um município recém-criado e que, com a graça de Deus, foi criado o alicerce de uma comunidade crista.

Depois de ter vivido por aproximadamente 10 anos no Brasil, volta à terra natal, a Itália, e diz que sempre valeu a pena responder sim a Deus.

No ano de 2000, é chamado a começar de novo, em 10 de maio é nomeado bispo, 23 de junho acontece sua ordenação episcopal na Catedral de Caltanissetta, (mesmo local em que havia sido ordenado presbítero em 1969) e, em 23 de julho, retorna ao Brasil para assumir e iniciar seu ministério na Diocese de Coxim. E, de 2000 a 2017 – ordenou 14 padres.

Nesses 19 anos de seu episcopado, das diversas características que se pode atribuir a Dom Antonino Migliore, duas ficam sempre em evidencia: sensibilidade e disponibilidade. Características, que gostaria de destacar neste momento em que comemoramos os 50 anos do sacerdócio de Dom Antonino.

Na convivência com o povo que Deus colocou sobre seus cuidados, é visível a sensibilidade com que Dom Antonino, acolhe, identifica os dons, ouve e, ao mesmo tempo se coloca, como BOM PASTOR, com uma disponibilidade ímpar para auxiliar, orientar e conduzir, cada um dos fiéis que lhe procura, para, NUMA VERDADEIRA PASTORAL DE Conjunto, reforçar com alegria e entusiasmo na tarefa de evangelização.

Ao expressar sua gratidão pelos chamados que recebeu, Dom Antonino diz: “Olhando o passado de 50 anos, agradeço a Deus”. “Ele nunca me deixou sozinho”. Sempre deu a força necessária para enfrentar os muitos desafios, para não desanimar diante das várias mudanças que me pediu. Agradeço especialmente, porque me impediu de instalar-me, de acomodar-me. Ele mesmo me levou para “águas sempre mais profundas”. Obrigado Senhor! Ajuda-me a dizer com alegria o último “sim”. Continua a olhar com carinho esta nossa querida Igreja de coxim, que eu servi por 30 anos. Envia muitos e santos sacerdotes. Ajuda os Leigos assumir o protagonismo na Igreja e na sociedade. Transforma as nossas Paróquias em verdadeiras “Comunidades de Comunidades”.

Por:- Equipe Diocesana de Comunicação – Pascom Diocesana

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.

%d blogueiros gostam disto: