Indígena de 5 anos é estuprada pelo pai em MS e irmão de 9 anos testemunhou, diz Conselho Tutelar

Correio do Pantanal

9 fev 2018 às 10:37 hs
Indígena de 5 anos é estuprada pelo pai em MS e irmão de 9 anos testemunhou, diz Conselho Tutelar

Suspeito foi preso após denúncia da mãe e lideranças indígenas da Aldeia Bororó, em Dourados (MS).

Polícia investiga estupro de indígena de 5 anos em Dourados e pai é suspeito

Polícia investiga estupro de indígena de 5 anos em Dourados e pai é suspeito

A polícia investiga o caso de abuso sexual de uma indígena de 5 anos na Aldeia Bororó, em Dourados, município na região sul de Mato Grosso do Sul. O irmão de 9 anos testemunhou o crime que ocorreu há dias na casa da família, segundo o Conselho Tutelar, e o principal suspeito é o pai.

A criança contou para a mãe que junto com as lideranças indígenas denunciaram o caso à polícia. O suspeito está preso na 1ª Delegacia de Polícia.

“As lideranças e a mãe da menina entraram em contato informando onde estava o agressor, o violador, e nós informamos a polícia. A Polícia Militar foi até o local e fez a prisão do pai”, afirmou a conselheira tutelar Lucien Leiva Leite Prudente.

A menina foi levada ao Pronto Atendimento de Ginecologia e Obstetrícia do Hospital Universitário da (UFGD), na noite de terça-feira (6), para o atendimento quando há possíveis situações de violência sexual. Ela foi avaliada, passou por período de observação e foi liberada após medicação.

Nesta quinta-feira (8), a mãe retornou com a criança para consulta no Pronto Atendimento Pediátrico do hospital. Segundo os médicos, a indígena não deu entrada em estado grave e as lesões identificadas nas partes íntimas aparentavam ter sido feitas há dias.

“A criança está com seus direitos garantidos. Ela permanece na residência dela, quem se retirou da residência foi o agressor, o violador, e o Conselho Tutelar já realizou os encaminhamentos necessários e continuará atendendo, acompanhando, encaminhando para o Cras, Creas para dar continuidade nos atendimentos”, afirmou a conselheira.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.

%d blogueiros gostam disto: