Doença de Chagas: entenda os sintomas e as formas de transmissão

Correio do Pantanal

6 jun 2019 às 10:45 hs
Doença de Chagas: entenda os sintomas e as formas de transmissão

Por Vitor Muniz *, G1


O barbeiro, inseto transmissor da doença de Chagas — Foto:  AXS
O barbeiro, inseto transmissor da doença de Chagas — Foto: AXS

Pernambuco passa por um novo surto da doença de Chagas. Chega a 27 o número de pacientes que recebem o tratamento contra a doença, segundo balanço divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde na terça-feira (4).

No Acre, uma família foi internada com a doença supostamente transmitida pelo consumo de açaí contaminado.

Para entender o que é, como funciona a transmissão e quais são os sintomas, o G1 listou as principais informações sobre a doença de Chagas:

O que é?

A doença de Chagas é uma infecção causada pelo protozoário Trypanosoma cruzi, cujo principal vetor é o inseto “barbeiro” contaminado. O barbeiro funciona como uma espécie de intermediário entre o protozoário e o ser humano. O inseto pica um animal silvestre já infectado e depois transmite a doença para as pessoas.

“Quando o inseto pica alguém, ele naturalmente elimina fezes. Essas fezes têm o protozoário contaminante e, com a coceira, a pessoa ajuda a espalhar o protozoário até a ferida, completando a transmissão da doença”, diz Juvêncio Furtado, infectologista da Faculdade de Medicina do ABC.

O nome do inseto barbeiro vem do fato de que, frequentemente, as picadas ocorrem no rosto.

A doença é popularmente conhecida porque, na maioria dos casos, há um aumento significativo no tamanho do coração do paciente afetado. Isso ocorre porque as câmaras internas do coração doente aumentam de tamanho. A dilatação do coração impede que o sangue seja bombeado para o corpo da forma correta.

Os principais sintomas são:

  • Febre contínua, intermitente e prolongada por cerca de sete dias;
  • Inchaço na face ou nos membros;
  • Manchas vermelhas na pele;
  • Inchaço nos gânglios;
  • Inflamação no fígado ou no baço;
  • Falta de ar;
  • Problemas cardíacos agudos.

Formas de transmissão

A transmissão da doença, além de ocorrer principalmente por meio do contato do sangue com as fezes do barbeiro, também pode acontecer no sistema digestivo.

“Nos últimos anos, o barbeiro tem se alojado em plantações de cana-de-açúcar e em açaizeiros. Lá ele faz o seu ninho e se reproduz. Quando a pessoa tritura e ingere o suco da cana-de-açúcar ou do açaí, o inseto contaminado com o protozoário é consumido junto”, explica Furtado. “Isso acontece somente em casos nos quais não há uma limpeza adequada do produto”.

Outras formas de transmissão são: a recepção, em transplante, de órgãos provenientes de doadores infectados; e na gravidez, por via congênita, passando de mãe para filho.

O tipo de transmissão pode influenciar o período em que os primeiros sintomas começam a aparecer:

  • Vetorial: contato com as fezes do inseto infectado – de 4 a 15 dias;
  • Vertical: ocorre quando uma gestante contaminada passa os parasitas para o bebê – de 4 a 15 dias;
  • Transfusão de sangue ou transplante de órgãos de doadores infectados – de 30 a 40 dias;
  • Oral: ingestão de alimentos contaminados pelo barbeiro – de 3 a 22 dias.

Fase aguda

Apresenta poucos ou até mesmo nenhum sintoma da doença. Quando os sintomas aparecem, eles podem ser confundidos com uma virose comum. São eles:

  • Piora no estado geral do corpo – náusea, perda ou diminuição de força física e dor nas articulações;
  • Febre constante;
  • Inchaço no rosto e nas pernas;
  • Vermelhidão no rosto e pescoço.

Fase crônica

Geralmente, os casos de Chagas são confirmados na fase crônica por causa da dificuldade de se fazer o diagnóstico na fase aguda:

  • Problemas no coração, como insuficiência cardíaca;
  • Problemas digestivos;
  • Inchaço do esôfago e do estômago.

Tratamento

É feito normalmente com o uso do benznidazol, um medicamento antiparasitário, nos casos agudos e crônicos.

De acordo com o Dr. Furtado, é extremamente importante que o tratamento comece ainda na fase inicial da doença, quando os sintomas são menos perigosos.

“Apesar de o tratamento ser o mesmo para as duas fases da doença, o medicamento vai reagir apenas contra o protozoário, mas não vai ter efeito em relação aos problemas acarretados já na fase crônica, como o problemas cardíacos” – Juvêncio Furtado, infectologista da FMABC.

Sob prescrição médica, o benznidazol pode ser obtido gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para pessoas com a doença na fase aguda. Uma alternativa ao benznidazol, para pacientes alérgicos ou que não respondam bem ao tratamento, é o nifurtimox, outro remédio fornecido pelo SUS.

Transplante de coração

Quando o paciente chega a um estado avançado da doença e o coração é gravemente afetado, em muitos casos existe a possibilidade de receber um transplante de coração. Ou seja, o paciente recebe um novo coração sadio.

Especialistas da ONG Médico Sem Fronteiras dizem que a expectativa de vida do paciente transplantado pode aumentar em até 80% após o transplante. Portanto, a pessoa pode viver, em média, mais dez anos.

A recepção de coração transplantado por um paciente com doença de Chagas é, geralmente, melhor do que a de pessoas transplantadas por outros motivos.

Entretanto, não está descartada a hipótese de que o novo coração também acabe sendo rejeitado pelo corpo ou novamente infectado pela doença de Chagas.

Como prevenir

  • Impeça que o inseto forme colônias dentro da sua casa;
  • Caso encontre um inseto barbeiro, não esmague ou aperte;
  • Para manejar o inseto, use luvas para proteger as mãos;
  • Lave muito bem as frutas e outros alimentos.
Catorze pessoas contraem Doença de Chagas após consumir suco feito com bacaba no TO
Catorze pessoas contraem Doença de Chagas após consumir suco feito com bacaba no TO
ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.

%d blogueiros gostam disto: