Adolescente suspeito de matar advogada cometia atos infracionais desde os 11 anos, diz polícia de MS

Correio do Pantanal

30 mar 2018 às 20:13 hs
Adolescente suspeito de matar advogada cometia atos infracionais desde os 11 anos, diz polícia de MS

Infrator contabiliza diversas passagens. Ele deve passar por audiência de custódia na próxima semana.

Adolescente suspeito de matar advogada continua detido e passará por audiência em MS

Adolescente suspeito de matar advogada continua detido e passará por audiência em MS

O adolescente de 16 anos suspeito de matar uma advogada e comerciante asfixiada com fio de abajur em Aquidauana, no oeste de Mato Grosso do Sul, comete atos infracionais há cinco anos, desde que tinha 11 anos de idade, segundo a polícia.

O garoto cumpria medidas socioeducativas, que são penas pelos atos cometidos por quem tem menos de 18 anos. Ainda segundo a polícia, ele tinha diversas passagens. Inclusive já tinha furtado a advogada assassinada.

O adolescente continua na delegacia da cidade. Ele deve passar por audiência de custódia na próxima semana. Depois disso, deve ser definida a medida socioeducativa inicial a ser cumprida. Dez dias depois o juiz deve decidir a medida final.

Adolescente suspeito de matar advogada em Aquidauana cometia atos infracionais desde os 11 anos, diz polícia de MS (Foto: Reprodução TV Morena)Adolescente suspeito de matar advogada em Aquidauana cometia atos infracionais desde os 11 anos, diz polícia de MS (Foto: Reprodução TV Morena)

Adolescente suspeito de matar advogada em Aquidauana cometia atos infracionais desde os 11 anos, diz polícia de MS (Foto: Reprodução TV Morena)

O crime

Clarinda Tamashiro, de 72 anos, foi morta por asfixia. Segundo a polícia, o adolescente diz que matou a vítima porque foi flagrado por ela na hora do roubo. Ele invadiu o comércio dela, que fica no mesmo local da casa, onde a advogada morava há décadas.

Quando Clarinda viu o adolescente, ele a dominou, amarrou as penas e mãos da comerciante e a asfixiou com um fio de abajur no pescoço. Depois do crime, o adolescente ficou cerca de dez horas dentro da casa esperando o momento para fugir.

Quando percebeu a movimentação do lado de fora, tentou escapar pulando o muro e acabou surpreendido pelos vizinhos que já estavam na rua estranhando as portas do comércio fechadas. Eles seguraram o rapaz e chamaram a polícia. O adolescente iria roubar quase R$ 14 mil. Para os investigadores, ele é o único responsável pelo latrocínio.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.

%d blogueiros gostam disto: