Em dez anos, 25 milhões de casamentos infantis foram impedidos

Correio do Pantanal

6 mar 2018 às 00:23 hs
Em dez anos, 25 milhões de casamentos infantis foram impedidos

NOTICIAS AO MINUTO

© DR

número de casamentos infantis no mundo está caindo. No entanto, o problema está longe de estar resolvido e, se nada for feito para o impedir, mais de 150 milhões de meninas serão obrigadas a casar até 2030. O alerta é da Unicef.

De acordo com a organização de defesa dos direitos das crianças, estima-se que o número de garotas casadas na infância seja de 12 milhões por ano, o que representa uma redução de 25 milhões de casamentos em relação há 10 anos.

“Quando uma menina é forçada a casar e ainda é uma criança, enfrenta consequências imediatas e ao longo da vida. A probabilidade de terminar os estudos diminui, enquanto a de ser abusada pelo marido e sofrerem complicações durante a gravidez aumentam”, denuncia Anju Malhotr, conselheira principal para o gênero na Unicef.

Notícias ao Minuto

 

Índia apresenta os melhores resultados na diminuição do número de casamentos na infância © UNICEF/UN061994/Vishwanathan

Apesar das melhorias, o relatório da Unicef divulgado esta terça-feira (5) aponta que são necessários “rápidos progressos” para cumprir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. “Dado que o mundo se comprometeu a acabar com o casamento infantil até 2030, teremos que redobrar coletivamente esforços para evitar que milhões de garotas tenham a infância roubada através desta prática devastadora”, alerta Anju Malhotra.

As melhorias foram registradas, sobretudo, no Sul da Ásia, onde o risco de casar antes dos 18 anos diminuiu de quase 50% para 30%. Os maiores progressos verificaram-se na Índia. A um nível global, segundo o documento, a proporção de mulheres que casaram ainda crianças diminuiu 15% na última década.

De acordo com o relatório da Unicef, cerca de 650 milhões de mulheres casaram em criança. Das mais recentes noivas meninas, cerca de uma em cada três estão agora na África Subsaariana, em comparação com uma em cada cinco, há uma década.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.