Bolsonaro assina projeto que viabiliza privatização da Eletrobras
  • No Banner to display

  • celular

Correio do Pantanal

5 nov 2019 às 21:51 hs
Bolsonaro assina projeto que viabiliza privatização da Eletrobras

Projeto foi assinado em ato de 300 dias de governo; proposta prevê emissão de ações e vai ao Congresso. Bolsonaro também editou MP que põe fim a monopólio na emissão de papel-moeda.

Por Guilherme Mazui, Mateus Rodrigues e Fernanda Calgaro, G1 e TV Globo — Brasília

Nos 300 dias de governo, Bolsonaro assina projeto que viabiliza privatização da Eletrobras

Nos 300 dias de governo, Bolsonaro assina projeto que viabiliza privatização da Eletrobras

O presidente Jair Bolsonaro assinou nesta terça-feira (5) o projeto de lei que viabiliza a privatização da Eletrobras.

O projeto foi assinado em uma cerimônia no Palácio do Planalto na qual foram comemorados os 300 dias de governo.

Após o evento, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, foi ao Congresso entregar o projeto de ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Na cerimônia no Planalto, o presidente também assinou:

  • medida provisória que estabelece fim do monopólio da Casa da Moeda para fabricação de papel-moeda, moeda metálica, cadernetas de passaportes e impressão de selos postais e selos fiscais federais;
  • decreto que dispõe sobre o programa Forças do Esporte;
  • decreto que simplifica o plantio de cana-de-açúcar;
  • decreto que revoga 257 decretos que “apenas dificultam e burocratizam a vida das pessoas”;
  • decreto que revoga 334 órgãos colegiados considerados “extintos, inativos ou inoperantes”;
  • decreto que consolida 77 convenções da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

A proposta assinada por Bolsonaro sobre a Eletrobras precisa ser aprovada pela Câmara dos Deputados e pelo Senado.

O plano de privatizar a estatal mediante aumento de capital e venda do controle acionário foi anunciado ainda no governo Michel Temer.

Mais cedo, nesta terça-feira, o ministro Bento Albuquerque (Minas e Energia) informou que nenhum acionista terá mais de 10% de poder de voto na companhia, inclusive a União.

A proposta prevê que a União ficará com menos de 50% das ações da empresa. O projeto também não prevê mais as ações especiais com poder de veto, as chamadas “golden share”.

Todas essas cláusulas ainda podem ser alteradas pelo Congresso quando a proposta começar a tramitar.

Após entregar o projeto de lei ao presidente da Câmara, o ministro defendeu a capitalização da empresa. “O fato é que hoje ela [a Eletrobras] perdeu a sua capacidade de investimento. Desde 2014, a Eletrobras não participa de nenhum leilão de energia porque não tem recursos e está perdendo a sua participação no mercado. O que nós queremos é uma empresa competitiva e que possa cumprir o importante papel para a segurança energética do país”, disse.

Governo finaliza proposta de privatização da Eletrobras

Governo finaliza proposta de privatização da Eletrobras

Emissão de ações

A privatização da Eletrobras acontecerá por emissão de ações e, segundo o Ministério de Minas e Energia, deverá ocorrer no segundo semestre de 2020.

Com os recursos, a Eletrobras terá de pagar:

  • R$ 16,2 bilhões para a União pela retirada de hidrelétricas do chamado regime de cotas (que, desde 2013, faz com que as usinas vendam energia abaixo do preço de custo);
  • R$ 8 bilhões para reduzir subsídios da conta de luz (esse dinheiro deve ser aplicado na Conta de Desenvolvimento Energético);
  • R$ 3,5 bilhões para a revitalização do Rio São Francisco.

Tramitação

A privatização da Eletrobras terá de ser aprovada pela Câmara dos Deputados e pelo Senado. Isso porque, por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), é proibida a privatização de estatais sem aprovação do Poder Legislativo.

Após ser protocolado no Congresso, o projeto de lei será analisado em comissões.

Se for aprovado pelo plenário da Câmara, o projeto de lei seguirá para o Senado. Se não sofrer modificação, seguirá para sanção presidencial. Se for alterado pelos senadores, voltará à Câmara para nova análise.

Bolsonaro entrega ao Congresso pacote de medidas na área econômica

Bolsonaro entrega ao Congresso pacote de medidas na área econômica

‘Pacto federativo’

Também nesta terça, Bolsonaro entregou ao Congresso Nacional a proposta de mudança no chamado “pacto federativo” (veja no vídeo acima).

O “pacto federativo” é o conjunto de regras constitucionais que determina a arrecadação de recursos e os campos de atuação de União, estados e municípios e suas obrigações para com os contribuintes.

O governo propôs as mudanças por meio de emendas à Constituição. Assim, as propostas precisam ser aprovadas em dois turnos de votação no Senado e outros dois turnos na Câmara, antes de serem promulgadas e entrar em vigor.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.

%d blogueiros gostam disto: