Diplomatas russos saem da Coreia do Norte a empurrar vagonete

Correio do Pantanal

26 fev 2021 às 19:28 hs
Diplomatas russos saem da Coreia do Norte a empurrar vagonete
Diplomatas russos saem da Coreia do Norte a empurrar vagonete
Foto: AFP

Rafaela PereiraHoje às 11:37

Diplomatas russos e respetivas famílias regressaram a casa num vagonete sem motor, que teve de ser empurrado, devido a restrições da pandemia implementadas na Coreia do Norte.

As fronteiras da Coreia do Norte foram bloqueadas durante meses em virtude dos esforços do regime de Kim Jong Un para manter a covid-19 sob controlo. A grande maioria dos transportes encontrava-se interdito e, por esse motivo, os diplomatas tinham poucas escolhas. “Como as fronteiras foram fechadas por mais de um ano e o tráfego de passageiros foi interrompido, foi uma longa e difícil jornada para chegar a casa”, referiu o Ministério das Relações Exteriores da Rússia numa publicação no Facebook.https://platform.twitter.com/embed/Tweet.html?creatorScreenName=Jornal%20de%20Not%C3%ADcias&dnt=false&embedId=twitter-widget-0&frame=false&hideCard=false&hideThread=true&id=1365007373589499905&lang=en&origin=https%3A%2F%2Fwww.jn.pt%2Fmundo%2Fdiplomatas-russos-saem-da-coreia-do-norte-a-empurrar-vagao-13395329.html&siteScreenName=Jornal%20de%20Not%C3%ADcias&theme=light&widgetsVersion=889aa01%3A1612811843556&width=550px

O grupo de oito pessoas, incluindo uma criança de três anos, viajou durante 32 horas de comboio e, de seguida, duas horas de autocarro de Pyongyang para conseguir chegar até à fronteira russa.

Fotos publicadas pelo Ministério mostram os diplomatas russos acompanhados pela família a viajar ao lado de malas num vagonete empurrado cerca de um quilómetro por Vladislav Sorokin, o terceiro secretário da embaixada. Uma vez em território russo, foram recebidos por oficiais do Ministério das Relações Exteriores que os ajudaram a chegar ao aeroporto de Vladivostok.

Todos os que optaram por permanecer na Coreia do Norte descreveram uma situação cada vez mais terrível em Pyongyang, com supermercados que estão a ficar sem comida e pessoas a perder empregos, segundo o embaixador russo na Coreia do Norte, Alexander Matsegora.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.