Deixou comandos de comboio a 150 km/h para ir ao banheiro

Correio do Pantanal

21 maio 2021 às 16:51 hs
Deixou comandos de comboio a 150 km/h para ir ao banheiro
Comboio de alta velocidade em Tóquio
Comboio de alta velocidade em TóquioFoto: TRIBALLEAU / AFP

JNHoje às 17:13

O condutor de um trem de alta velocidade no Japão arrisca ser punido depois de ter abandonado o “cockpit” durante alguns minutos para ir ao banheiro

A bordo do Hikari 633 seguiam 160 passageiros, segundo a imprensa local.

Na ausência do condutor, foi um colega sem a devida licença de condução que assumiu os comandos do trem de alta velocidade, que circulava a 150 quilómetros/hora.

Ninguém deu por nada durante a viagem, que decorreu como previsto, mas a empresa ferroviária do Japão (JR Central) decidiu reportar o incidente e pediu desculpas publicamente.

De acordo com a empresa, o caso aconteceu no passado domingo de manhã (dia 16) quando o trem circulava no município de Shizuoka.

O condutor, de 36 anos e cuja identidade não foi revelada, sofreu uma indisposição de estômago e precisou de ir banheiro urgentemente. Foi então que chamou o colega ao “cockpit” para assumir o controlo do comboio. Esteve ausente três minutos, segundo a empresa.

Segundo as regras internas, no caso de os condutores terem algum problema de saúde devem contactar a central da empresa. Estão autorizados a pedir a um colega que assuma os comandos mas apenas se tiver licença de condução.

Os dois funcionários arriscam agora um processo disciplinar.

Os caminhos-de-ferro no Japão são reconhecidos pela eficiência, pontualidade e exigência elevada de segurança. Os acidentes ferroviários são raros. O último grande acidente data de 2005, quando um trem descarrilou em Amagasaki e 107 pessoas morreram.

A linha férrea de alta velocidade no Japão (Shinkansen) nunca teve um acidente em 57 anos de atividade.Partilhe este artigo no F

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.