Debaixo de fogo em Washington, Trump vai visitar o muro com o México

Correio do Pantanal

10 jan 2021 às 19:40 hs
Debaixo de fogo em Washington, Trump vai visitar o muro com o México

Câmara dos Representantes prepara um novo processo de impeachment e há mais republicanos a defender a demissão do presidente, que na terça-feira viaja até Alamo, no Texas, para assinalar “uma promessa cumprida”.

Em junho, no Arizona, Trump comemorou a construção das 200 milhas (320 quilómetros) de muro.
Em junho, no Arizona, Trump comemorou a construção das 200 milhas (320 quilómetros) de muro.© SAUL LOEB / AFP

Susana Salvador10 Janeiro 2021 

Eleito em 2016 com a promessa de construir um muro na fronteira com o México (e obrigar os mexicanos a pagá-lo), o presidente norte-americano, Donald Trump, viaja esta terça-feira para Alamo, no Texas, para mostrar o trabalho que foi feito. Aproveita para se afastar da capital, onde nesse mesmo dia a Câmara dos Representantes poderá votar um novo impeachment.

“O presidente Trump deve viajar para Alamo, no Texas, na terça-feira, para assinalar a conclusão de mais de 400 milhas [640 quilómetros] de muro fronteiriço – uma promessa feita, uma promessa cumprida – e os esforços da sua Administração em reformar o nosso sistema de imigração partido”, disse um dos porta-vozes da Casa Branca, Judd Deere.

Apesar de a maior parte do muro ter sido erguido em áreas onde já existiam pequenas barreiras, o governo construiu centenas de quilómetros de vedação de quase nove metros de altura num curto espaço de tempo (a maior parte nos últimos dois meses), segundo a AP, que lembra ainda que ao contrário do prometido, não foram os mexicanos, mas os norte-americanos a pagar o muro.

A visita será a primeira aparição em público do presidente desde que discursou para os seus apoiantes, na quarta-feira, antes destes invadirem o Capitólio, numa tentativa de travar a confirmação oficial da vitória de Joe Biden.

Os democratas na Câmara dos Representantes vão avançar com um pedido de impeachment do presidente, cujo mandato termina a 20 de janeiro, devendo apresentar a sua proposta já esta segunda-feira e votar já na terça ou quarta-feira. O processo pode contudo demorar até chegar ao Senado, onde o presidente terá que ser julgado (havendo quem defenda que poderá sê-lo mesmo depois de deixar a Casa Branca).

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.