Egito exibe restauração do sarcófago de Tutancâmon

Correio do Pantanal

5 ago 2019 às 05:41 hs
Egito exibe restauração do sarcófago de Tutancâmon

Esta é a primeira restauração da relíquia descoberta em 1922. Peça do faraó morto aos 18 anos integrará o Grande Museu Egípcio.

Por Deutsche Welle

Sarcófago do faraó egípcio Tutancâmon — Foto: Mohamed Abd El Ghany/Reuters

Sarcófago do faraó egípcio Tutancâmon — Foto: Mohamed Abd El Ghany/Reuters

O Egito apresentou ao público, neste domingo (4), o célebre sarcófago do rei Tutancâmon, exibindo a primeira restauração do ataúde dourado, desde sua descoberta, em 1922.

“Estamos lhes mostrando um artefato histórico único, não só para o Egito, mas para o mundo”, declarou o ministro de Antiguidades Khaled el-Enany, durante coletiva de imprensa no novo Grande Museu Egípcio, no Cairo. Com vista para as Pirâmides de Gizé, ele será inaugurado no fim de 2020.

Sarcófago do faraó egípcio Tutancâmon — Foto: Mohamed Abd El Ghany/Reuters

Sarcófago do faraó egípcio Tutancâmon — Foto: Mohamed Abd El Ghany/Reuters

O trabalho de restauração do esquife do jovem faraó começou em meados de julho, e estima-se que levará cerca de oito meses para se completar.

O tesou arqueológico é em três camadas. Segundo Enany o que exigirá mais tempo é a restauração do caixão exterior, de madeira dourada, com 2,23 metros de comprimento, pois “o estado de conservação é muito frágil, ele nunca foi restaurado”.

Sarcófago do faraó egípcio Tutancâmon — Foto: Mohamed Abd El Ghany/Reuters

Sarcófago do faraó egípcio Tutancâmon — Foto: Mohamed Abd El Ghany/Reuters

Já desde o século 20, as camadas de gesso dourado começaram a rachar, sobretudo na tampa e na base. Após ser removido do Vale dos Reis em Luxor, no Sul do Egito – onde o arqueólogo inglês Howard Carter o descobriu, 97 anos atrás –, o sarcófago foi transferido para o Grande Museu. Lá será exibido ao lado de outros tesouros e artefatos encontrados na câmara fúnebre do faraó.

Tutancâmon nasceu em 1341 a.C. e subiu ao trono com nove anos, reinando até a morte, aos 18 ou 19 anos de idade. Sua famosa máscara fúnebre, de ouro maciço e encrustada com pedras semipreciosas, foi restaurada recentemente. Em 2014, empregados do Museu Egípcio do Cairo lhe haviam quebrado a barba e tentaram consertá-la com cola epóxi.

Nos últimos meses, o Egito tem revelado ao mundo uma série de descobertas antigas, na esperança de reanimar sua abalada indústria turística, uma importante fonte de divisas. O setor sofre forte impacto devido à insegurança que perdura desde a rebelião popular que em 2011 derrubou Hosni Mubarak, presidente egípcio por quase 30 anos.

Peça que pertenceu ao faraó Tutancâmon em restauração no Egito — Foto: Mohamed Abd El Ghany/Reuters

Peça que pertenceu ao faraó Tutancâmon em restauração no Egito — Foto: Mohamed Abd El Ghany/Reuters

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.

%d blogueiros gostam disto: