Polícia prende suspeito do desaparecimento de mulher que sumiu há mais de 1 mês em MS
  • Projetando

Correio do Pantanal

20 ago 2019 às 22:45 hs
Polícia prende suspeito do desaparecimento de mulher que sumiu há mais de 1 mês em MS

De acordo com a polícia, os dois mantinham um relacionamento amoroso. O homem foi transferido para uma delegacia de Campo Grande.

Por G1 MS e TV Morena

Nathállia foi vista pela última vez em 15 de julho — Foto: Reprodução/TV Morena

Nathállia foi vista pela última vez em 15 de julho — Foto: Reprodução/TV Morena

Um homem, de 37 anos, se apresentou à Polícia Civil nesta segunda-feira (19) em Porto Murtinho, região de fronteira com o Paraguai. Ele é suspeito do desaparecimento de Nathállia Corrêa Batista, de 29 anos, que foi vista pela última vez em 15 de julho.

“Nós não trabalhamos mais com hipótese de encontra-la com vida, o tempo de desaparecimento é muito grande e o sinal do celular desapareceu desde o dia do sumiço”, disse o delegado responsável pelo caso, João Cleber Dorneles.

Ainda de acordo com o delegado, os dois mantinham um relacionamento amoroso e o homem é principal suspeito no caso. “Ele foi o último a falar com ela por telefone e o carro dela foi encontrado perto do trabalho dele”, explicou.

Em depoimento à polícia, o suspeito disse que tentou marcar um último encontro com a mulher no dia do desaparecimento e não conseguiu, e não obteve mais contato com ela. Ele foi transferido para uma delegacia de Campo Grande, onde permanece detido.

O desparecimento

Nathállia mora com a mãe e a filha de 6 anos em Campo Grande. Ela saiu da capital sozinha para passar alguns dias com amigos e outros parentes em Porto Murtinho, onde já morou e o padrasto reside.

Na noite do dia 15 ela saiu com amigos e ao se despedir deles, teria dito que precisava arrumar as malas para retornar para Campo Grande. “Imagens de câmera de segurança de um comércio mostram ela saindo da casa, mexendo no celular e entrando no carro”, fala o delegado que investiga o desaparecimento João Cléber Dorneles. Depois, ninguém mais a viu.

No dia seguinte, o padrasto percebeu que Nathállia não havia dormido em casa e se deparou com o carro da enteada estacionado na frente da residência e trancado. Ele então ligou para a mãe da jovem, conseguiu as chaves reservas do veículo, e ao abrir, viu que tinha objetos da jovem lá dentro.

A polícia já ouviu 10 pessoas sobre o caso. A família pede ajuda. “Eu quero fazer um apelo pelo amor de Deus para achar minha sobrinha. […] A filha dela chora, pede pela mãe. Diz que está com muita saudade e que sente muito a falta da mãe”, conta a tia de Nathállia, Deise Alves Corrêa. “A família pede para que alguém denuncie. Eu não sei mais o que fazer. Tudo o que tinha que fazer já foi feito e até agora nada”, desabafa.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.

%d blogueiros gostam disto: