Justiça do RJ nega recurso da defesa e acusados de homicídio de Marielle vão a júri popular
  • No Banner to display

  • celular

Correio do Pantanal

9 fev 2021 às 20:03 hs
Justiça do RJ nega recurso da defesa e acusados de homicídio de Marielle vão a júri popular

1ª Câmara Criminal negou recurso das defesas de Ronnie Lessa e Élcio de Queiroz. Acusados respondem por duplo homicídio triplamente qualificado por motivo torpe, emboscada e sem dar chance de defesa às vítimas.

Por Henrique Coelho, G1 Rio

09/02/2021 15h38  Atualizado há 49 minutos


1 minJustiça do RJ nega recurso da defesa e acusados de homicídio de Marielle vão a júri popularhttps://imasdk.googleapis.com/js/core/bridge3.439.0_pt_br.html#goog_1888878478

1ª Câmara Criminal negou recurso das defesas de Ronnie Lessa e Élcio de Queiroz. Acusados respondem por duplo homicídio triplamente qualificado por motivo torpe, emboscada e sem dar chance de defesa às vítimas.https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-37/html/container.html

A Justiça do Rio negou o recurso das defesas dos acusados dos homicídio de Marielle Franco e Anderson Gomes nesta terça-feira (9). Com o resultado, Ronnie Lessa e Élcio Queiroz vão ser levados a júri popular. A decisão foi dos desembargadores da 1ª Câmara Criminal, por unanimidade.

Lessa e Queiroz respondem por duplo homicídio triplamente qualificado por motivo torpe, emboscada e sem dar chance de defesa às vítimas, e estão presos no presídio federal de Porto Velho.

“A análise aprofundada das provas técnicas e da prova oral deve ser feita pelo júri popular, mediante o contraditório e a ampla defesa. Mas, dos elementos expostos até agora, temos indícios suficientes para a pronúncia. (…) Por tais razões, voto por negar provimento, mantendo a sentença de pronúncia”, destacou a desembargadora relatora, Katya Maria de Paula Menezes Monnerat.

Ronnie Lessa e Élcio Queiroz deixam a Delegacia de Homicídios, na Barra, após serem presos em março de 2019 — Foto: Reprodução/TV Globo

Ronnie Lessa e Élcio Queiroz deixam a Delegacia de Homicídios, na Barra, após serem presos em março de 2019 — Foto: Reprodução/TV Globo

O advogado de Ronnie Lessa, Bruno Castro, fez o recurso para tentar impedir que seu cliente seja julgado pelo Tribunal do Júri. Em sua fala, citou uma testemunha que teria dito que o atirador que disparou contra o carro onde estava Marielle era negro, e desafiou:

“Eu desafio a acusação trazer qualquer fato concreto que possa colocar o Ronnie Lessa na cena do crime. É muito simples o Ministério Público argumentar que ele teria deixado esse celular na Barra da Tijuca sem provas. Temos a comprovação com prova técnica que ele estava na Barra da Tijuca”, disse o advogado.

As advogadas que representavam as famílias de Marielle e Anderson Gomes, que foram assistentes de acusação, ressaltaram que as provas obtidas pelo Grupo de Apoio Especializado e Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público e pela Delegacia de Homicídios da Capital são suficientes para levar Lessa e Élcio a júri popular.

“Provas periciais não deixam dúvidas sobre indícios de autoria”, declarou Luciana Pivato, advogada que representa Mônica Benício, viúva de Marielle.

Histórico

Justiça analisa recurso dos acusados de matar Marielle e Anderson Gomes1 minJustiça analisa recurso dos acusados de matar Marielle e Anderson Gomeshttps://imasdk.googleapis.com/js/core/bridge3.439.0_pt_br.html#goog_1888878480–:–/–:–

Acusados respondem por duplo homicídio triplamente qualificado por motivo torpe, emboscada e sem dar chance de defesa às vítimas. Defesa alega que há falta de provas e evidências que liguem a dupla às execuções.

Em março do ano passado, a 4ª Vara Criminal da Justiça do Rio decidiu levar Lessa e Élcio a júri popular.

Desde que Lessa e Queiroz foram presos, em março de 2019, a defesa alega que há falta de provas e evidências que liguem a dupla às execuções.

Grande parte das investigações da Polícia Civil e do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) é baseado na análise de câmeras de segurança das ruas e acesso de dados de navegação como, por exemplo, a localização na noite do crime e pesquisas que foram feitas nos celulares dos dois.

Ronnie Lessa é apontado como autor dos disparos que mataram Marielle e Anderson e Élcio é acusado de dirigir o carro prata usado nos assassinatos.

Marielle e Anderson — Foto: GloboNews

Marielle e Anderson — Foto: GloboNews

Relembre o caso

Marielle e Anderson foram atingidos por tiros de uma submetralhadora por homens em um carro que seguia o que eles estavam, na Região Central do Rio, em 14 de março de 2018.

Ronnie Lessa é apontado na denúncia como o autor dos disparos. Ele estaria no banco de trás do Cobalt que perseguiu o carro da vereadora. Segundo a investigação, Élcio de Queiroz dirigia o Cobalt usado para perseguir as vítimas.

Só em 12 de março de 2019, dois dias antes de completar um ano do crime, os dois foram presos. Até hoje, não se sabe quem mandou matar Marielle.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.

%d blogueiros gostam disto: