Comércio noturno defende lockdown até dia 13 para conter Coronavírus em Coxim

Correio do Pantanal

2 jun 2021 às 23:03 hs
Comércio noturno defende lockdown até dia 13 para conter Coronavírus em Coxim

Sheila ForatoImprimir

Comércio noturno defende lockdown até dia 13 para conter Coronavírus em Coxim No início da tarde desta quarta-feira (2), representantes do comércio noturno divulgaram nota à sociedade coxinense defendendo a ampliação do período de lockdown em Coxim, até o dia 13 de junho, para controle do Coronavírus (Covid-19).

A Prefeitura determinou o fechamento de todo o comércio a partir das 21 horas desta quarta-feira (2) até às 5 horas de segunda-feira (7). Entretanto, os representantes defendem que o lockdown seja estendido por mais uma semana, pois acreditam que somente desta forma a transmissão vai desacelerar.

Nesse período, somente os estabelecimentos considerados essenciais – açougues, padarias, supermercados, clínicas, farmácias, postos de saúde e serviços funerários – vão poder atender ao público. O ramo de alimentação, para humanos e animais, assim como de bebidas vão poder fazer entregas.

A nota em apoio ao fechamento é resultado de uma reunião ocorrida no final da tarde de terça-feira (1º), com o prefeito Edilson Magro (DEM), a secretária de Saúde, Salete Bell de Souza, o gerente de Vigilância Sanitária, Luiz Eduardo dos Santos, e o presidente da ACIAC (Associação Comercial, Industrial e Agropastoril de Coxim), Rogério Carlos dos Santos.Foto: Sheila Forato

Na oportunidade os representantes do segmento apresentaram números dos prejuízos acumulados ao longo de quase 15 meses e lamentaram o fato do comércio noturno, empregador de 120 famílias, ser visto equivocadamente como o vilão da pandemia. Foram feitas ainda algumas solicitações para as autoridades, como protocolos específicos para quem trabalha no sistema de mesas, que começam a ser discutidos na próxima semana.

A ampliação do horário, assim que a pandemia estiver sobre o controle, também foi outra reivindicação, pelo menos quatro vezes por semana. Eles explicaram que quando o horário de fechamento é fixado às 22 horas conseguem trabalhar por apenas 90 minutos, o que pode começar a inviabilizar muitas empresas daqui para frente, resultando em demissões. Quando o fechamento caí para as 21 horas os estabelecimentos praticamente pagam para abrir suas portas.

Confira nota na íntegra

O comércio noturno, rotulado equivocadamente como o vilão da pandemia de Coronavírus (Covid-19), vem a público defender a ampliação do período de restrições para controle da doença em Coxim.

Em reunião com o prefeito de Coxim, Edilson Magro, secretária de Saúde, Salete Bell de Souza, e gerente de Vigilância Sanitária, Luiz Eduardo dos Santos, representantes do segmento sugeriram lockdown até 13 de junho.

Foi reivindicado ainda protocolos específicos para quem trabalha no sistema de mesas, que serão discutidos nos próximos dias com as autoridades sanitárias, além de horário diferenciado, a ser adotado assim que o controle do Coronavírus for constatado.

Vale ressaltar que o comércio noturno, empregador de 120 famílias em Coxim, é o mais prejudicado com medidas restritivas que vem sendo impostas há 15 meses e mesmo assim está disposto a cortar, mais uma vez, a própria carne em prol do controle da doença.

Pedimos ainda que a população faça sua parte. A forma mais eficaz é seguir as orientações das autoridades sanitárias.

Assinam: Ahau – Beef Burguer – Dio Santo – Hamburgueria Paulista – Rodeio Pizzaria e Chopperia – Senzala Restaurante e Pizzaria – Tablado Bar – Viajando na Maionese

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.