Cientistas criam exame para detectar Alzheimer mais rápido e econômico que os atuais

Correio do Pantanal

2 jan 2023 às 21:39 hs
Cientistas criam exame para detectar Alzheimer mais rápido e econômico que os atuais

R7

Atualmente, para diagnosticar o Alzheimer, é necessária a realização de exames de imagens  cerebrais e a punção do liquor — retirada do líquido da lombar por meio de uma agulha. Os procedimentos são caros e dolorosos e, muitas vezes, demorados. 

FREEPIK

Cientistas da Universidade de Pittsburgh, na Pensilvânia — Estados Unidos, estudaram uma forma de facilitar e baratear a descoberta desse problema neurológico e desenvolveram um exame de sangue que detecta anormalidades nas proteínas amiloide e tau — biomarcadores da neurodegeneração característica da doença. 

No último dia 22, o Japão chegou a autorizar uma forma, por meio de coleta de sangue, para diagnosticar o Alzheimer. Mas, se autorizado o uso do produto criado nos EUA, o novo exame será específico da doença e permitirá uma descobertar mais rápida. Com isso, as terapias podem ser iniciadas mais cedo.

A doença de Alzheimer é a forma mais comum de demência; no entando, o diagnóstico continua sendo um problema, principalmente para descobrir os estágios iniciais da doença.

O autor do estudo, Thomas Karikari, professor-assistente de psiquiatria em Pittsburgh, explica o avanço que a descoberta vai trazer. “Esses exames são caros e demorados para serem agendados, e muitos pacientes não têm acesso a scanners de ressonância magnética e PET. Acessibilidade é uma questão importante. A maior utilidade dos biomarcadores sanguíneos é melhorar a vida das pessoas, a confiança clínica e a previsão de risco no diagnóstico da doença de Alzheimer.”

O desenvolvimento de um exame de sangue confiável seria um importante passo. “É mais barato, seguro e fácil de administrar e pode melhorar a confiança clínica no diagnóstico de Alzheimer e na seleção de participantes para testes clínicos e monitoramento de doenças”, disse Karikari.

Os estudos com a nova forma de detectar o Alzheimer foram feitos em 600 pacientes em estágios diversos do Alzheimer. Descobriu-se que os níveis da proteína se relacionavam bem com os níveis dos biomarcadores no liquor e podiam distinguir com segurança a doença de Alzheimer de outras doenças neurodegenerativas.

Os níveis de proteína também correspondiam à gravidade das placas amiloides e dos emaranhados tau no tecido cerebral de pessoas que morreram de Alzheimer. 

O próximo passo vai ser validar o teste em mais pacientes, incluindo aqueles de origens raciais e étnicas variadas e aqueles que sofrem de diversos estágios de perda de memória ou outros sintomas potenciais de demência.

Karikari também espera que o monitoramento dos níveis de tau derivado do cérebro no sangue possa melhorar o projeto de ensaios clínicos para tratamentos de Alzheimer.

“Há uma enorme necessidade de diversidade na pesquisa clínica, não apenas pela cor da pele, mas também pelo histórico socioeconômico. Para desenvolver medicamentos melhores, os ensaios precisam inscrever pessoas de origens variadas e não apenas aquelas que moram perto de centros médicos acadêmicos. Um exame de sangue é mais barato, seguro e fácil de administrar e pode melhorar a confiança clínica no diagnóstico da doença de Alzheimer e na seleção de participantes para ensaios clínicos e monitoramento de doenças.”

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.