Bandido é acusado de forjar a própria morte com a ajuda de médico; entenda o golpe do “morto-vivo”

Correio do Pantanal

7 mar 2021 às 21:48 hs
Bandido é acusado de forjar a própria morte com a ajuda de médico; entenda o golpe do “morto-vivo”

Procurado pelo crime de clonagem de carros, Aldecir Tiago tinha sido condenado em cinco casos, e as penas chegavam a 25 anos de prisão. Para escapar da cadeia, ele se fingiu de morto.

07/03/2021 21h14  Atualizado há uma hora


Bandido é acusado de forjar a própria morte com a ajuda de médico; entenda o golpe do "morto-vivo"

Bandido é acusado de forjar a própria morte com a ajuda de médico; entenda o golpe do “morto-vivo”https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-37/html/container.html

Havia três anos que Aldecir Tiago de Menezes era procurado pela polícia. Crime: clonagem de carros. Ele tinha sido condenado em cinco casos, e as penas somadas chegavam a 25 anos de prisão. Para escapar da cadeia, ele se fingiu de morto.

“Quando se junta a certidão de óbito, obviamente não se pode processar uma pessoa morta e houve a extinção da punibilidade”, explicou o delegado. Ou seja: os crimes de Aldecir seriam abandonados, mas ele não pensou em tudo. Por ser um criminoso conhecido, o documento chamou a atenção dos policiais: “A gente sabia que ele tinha boa saúde e era novo, tinha 37 anos”.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.