Armamento moderno para a Ucrânia pode levar a vitória ou escalada incontrolável

Correio do Pantanal

27 jan 2023 às 10:31 hs
Armamento moderno para a Ucrânia pode levar a vitória ou escalada incontrolável
Os 31 tanques Abrams norte-americanos só serão atribuídos no final deste ano
Os 31 tanques Abrams norte-americanos só serão atribuídos no final deste anoFoto: EPA/STEPHEN B. MORTON

Armamento moderno para a Ucrânia pode levar a vitória ou escalada incontrolável

O envio de armamento pesado e ofensivo destinado a Kiev pelos países ocidentais poderá implicar uma nova e vitoriosa ofensiva ucraniana ou uma escalada do conflito caso Moscovo considere ultrapassadas “linhas vermelhas”, segundo dois analistas militares.

“A questão é saber o que se pretende com este material”, considerou o major-general Carlos Branco. “Porque a quantidade anunciada, e o momento em que este armamento vai ser atribuído aos ucranianos, não permitirá que atinjam os seus objetivos – a expulsão das forças russas da Ucrânia, incluindo a Crimeia”.

RELACIONADOS

analista militar considera que não serão os 152 carros os tanques prometidos, e dos quais apenas 77 estão confirmados até agora, que farão a diferença. “Destes 77, 31 são Abrams, norte-americanos, que só serão atribuídos no final deste ano“.

PUB

Uma perspetiva diversa é avançada pelo major-general Arnaut Moreira, que destaca a importância deste “segundo grande avanço em termos de patamar tecnológico que o Ocidente alargado concede à Ucrânia” após o envio do sistema norte-americano de lançamento de foguetes múltiplos Himars.

“O sistema Himars podia ser sempre encarado como o aumento de uma capacidade de defesa por parte das Forças Armadas ucranianas. Mas o fornecimento de carros de combate nunca pode ser apenas envolvido em questões meramente de salvaguarda do território ou capacidade de defesa das forças ucranianas”, considerou.

Números avançados por Carlos Branco indicam que, nos primeiros meses da guerra, os russos destruíram ou incapacitaram cerca de 2500 carros de combate e viaturas blindadas ucranianas, e que o Exército ucraniano já se afirmava como o segundo mais bem equipado na Europa a seguir ao russo.

A maioria dos tanques fornecidos pelos aliados ocidentais à Ucrânia já foi destruída, garante. “O facto de pedirem desesperadamente viaturas e equipamento é significativo de que não estão a prevalecer no campo de batalha”.

Arnaut Moreia destaca antes a “natureza ofensiva” e as características dos carros de combate que irão equipar as forças de Kiev, e que os tornam num ” instrumento ideal” para a condução de manobras ofensivas.

“A Ucrânia vai ter de pensar agora uma manobra diferente que a afaste de Bakhmut e Soledar e que permita, como fez em Kharkiv há alguns meses, romper linhas, entrar na profundidade do dispositivo inimigo e desequilibrar o seu sistema defensivo. É isto que estes carros de combate vêm trazer”, prognosticou.

Na análise de Carlos Branco, este tipo de equipamento, em particular, vai apenas prolongar o conflito, mas não vai fornecer recursos à Ucrânia para atingir o objetivo pretendido – a retirada das forças russas de todo o seu território.

“Mas em relação às viaturas blindadas, não aos carros de combate (tanques), o número atribuído é muito significativo. Aproxima-se do número que Valerii Zaluzhnyi, comandante em chefe das Forças Armadas ucranianas, pediu na entrevista à revista britânica The Economist”, assinalou.

Ainda para Carlos Branco, as grandes divergências residem no número de carros de combate e no número de peças de artilharia.

“Não é provável que um Exército tenha capacidade ofensiva se não tiver capacidade para combate de armas combinadas. Não é um Exército sem artilharia, ou com uma artilharia muito reduzida, sem apoio aéreo, que vai conseguir prevalecer“, sustenta.

Carlos Branco insiste que a questão consiste em saber quanto e quando o material será atribuído, enquanto Arnaut Moreira prefere destacar os “modelos de combate cada vez mais antigos” que a Rússia tem vindo a utilizar, recorrendo aos seus depósitos.

“Por outro lado, a capacidade industrial do Ocidente tem uma enorme resiliência, estamos a distribuir o esforço da guerra por 50 países desta coligação avançada. A Federação russa é uma pequeníssima economia mundial, e militarizar a sua indústria vai ter reflexos dramáticos na qualidade de vida da sua população”, frisou.

Uma perspetiva diferenciada do seu correligionário militar, ao assinalar uma grande desproporção de tanques e com vantagem para Moscovo.

A Rússia tem 600 tanques T-90. E tem mais umas centenas de T-78 modificados, e em relação aos T-72 têm centenas e com o ‘upgrade’ que foi feito, sistemas de pontaria computorizada, proteção reativa, capacidade de combate noturno,” diz Carlos Branco.

Em resposta, Arnaut Moreira recorre ao exemplo da designada “Guerra das Estrelas” que na década de 1980 opôs os EUA à então URSS, considerando que o colapso da União Soviética não foi de natureza militar.

“Caiu pela incapacidade de responder ao que eram os anseios da população, que não percebia porque tinha de andar de Wartburg ou Lada em vez de Mercedes ou BMW. E porque o desafio da ‘Guerra das Estrelas’ obrigou-a um esforço de investimento na indústria de Defesa que fez colapsar todos os outros sistemas”, disse à Lusa.

Desta forma, o major-general Arnaut Moreira assinala que, no atual conflito, o ocidente “não baixou a parada”, e que militarização da indústria russa vai ser feita à custa da diminuição dos recursos para satisfazer as necessidades básicas da população. “É uma questão de tempo”, disse.

Na quarta-feira, o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky pediu o envio de aviões de combate e de mísseis de longo alcance, mas ainda sem qualquer confirmação.

Este novo dado poderá implicar uma escalada, mesmo que Arnaut Moreira considere que a Rússia “tudo fará para não entrar em conflito com a NATO”.

Nesse sentido, define o país como uma “pequeníssima economia mundial, só tem 140 milhões de habitantes, é basicamente o que tem a Polónia e a Alemanha”. E destes dois países, frisa, “há mais 48 países nesta coligação. Estão aqui as grandes potências industriais, comerciais, de produção de riqueza em todo o mundo”.

O “colapso da economia interna russa”, motivado pelo esforço de guerra, poderá já perfilar-se no horizonte, admite.

Não há nenhuma vitória russa, é absolutamente impossível de acontecer. Mesmo que tenha uma vitória de natureza militar, já toda a gente está preparada para a eventualidade de ser necessário isolar ainda mais a Federação Russa, [que] no longo prazo vai sofrer tremendamente as consequências desta sua ação ofensiva sobre um dos seus vizinhos”.

Carlos Branco opta antes por destacar que, caso a Rússia considere que algum do armamento enviado ultrapasse as suas “linhas vermelhas”, haverá uma escalada.

“E o que significa? Por exemplo, a Rússia atacar a Polónia, as oficinas onde esse equipamento é recuperado, as bases onde possam estar estacionados os F-16, e de onde eventualmente lançarão os seus ataques, porque não vejo onde irá a Ucrânia colocar os F-16 no seu próprio território, porque serão atacados”.

Desta forma, sintetiza Carlos Branco, a “questão é saber se os russos vão interpretar estas decisões como algo que põe em causa a sua integridade territorial, o que eventualmente pode implicar a sua derrota no conflito, e então a situação entrará numa crescente escalada. E se atacarem um país da NATO, temos o ‘caldo entornado'”.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.