Cidade brasileira perde todas as vacinas após criança desligar energia
  • No Banner to display

  • celular

Correio do Pantanal

19 fev 2021 às 20:33 hs
Cidade brasileira perde todas as vacinas após criança desligar energia
O menino foi o responsável por, durante uma brincadeira, desligar o relógio de energia elétrica da sede
O menino foi o responsável por, durante uma brincadeira, desligar o relógio de energia elétrica da sede de vacinaçãoFoto: Twitter

JN/AgênciasOntem às 21:36

Cidade brasileira perde todas as vacinas após criança desligar energia

A cidade de Rio Bananal, no sudeste brasileiro, perdeu todas as doses da vacina contra a covid-19 após uma criança de 9 anos ter desligado a energia da sede de vacinação, informou esta sexta-feira a Polícia Civil.

De acordo com as autoridades, o menino foi o responsável por, em pleno momento de brincadeira, desligar o relógio de energia elétrica da sede de vacinação de Rio Bananal, no estado do Espírito Santo.

“Pelo depoimento das pessoas que estiveram no local, conseguimos delimitar o horário em que o relógio foi desligado. A partir daí, pelas câmaras de vigilância, percebemos que uma criança, de apenas 9 anos, que estava a brincar no local, acabou subindo num banco que fica em frente ao relógio”, relatou o agente da Polícia Civil Fabrício Lucindo, num vídeo partilhado pela imprensa local.

“Curioso porque uma lâmpada vermelha estava a piscar dentro do relógio e ele (criança) acabou desligando o relógio para tentar apagá-la. Desligando o relógio e apagando a lâmpada, ele voltou com as brincadeiras novamente. Ou seja, uma brincadeira de criança inocente que acabou gerando todo esse problema”, frisou o titular da esquadra de Rio Bananal.

A brincadeira acabou por levar a cidade, de aproximadamente 19 mil habitantes, a perder todas as vacinas disponíveis do imunizante contra a covid-19, assim como outros tipos de antídotos, testes de sangue e medicamentos.

Num primeiro momento, a Prefeitura de Rio Bananal suspeitou tratar-se de um ato de vandalismo, situação agora descartada pela polícia, após visualização das imagens de videovigilância.

Brasil vacinou, até ao momento, cerca de 5,5 milhões de pessoas, menos de 3% sua da população e na maioria médicos, indígenas e idosos, mas vários municípios tiveram de suspender as suas campanhas de imunização por falta de doses e o Governo só prevê as próximas entregas dos antídotos no final de fevereiro.

O ministro da Saúde brasileiro, Eduardo Pazuello, anunciou hoje que o Governo vai distribuir 4,7 milhões de vacinas entre o final de fevereiro e o início de março, e pediu aos prefeitos que apliquem todas na população prioritária sem reservar as segundas doses necessárias, para acelerar a campanha de imunização.

Segundo Pazuello, como o ministério receberá 21 milhões de vacinas em março, a distribuição dos lotes da segunda dose está garantida no prazo.

O Brasil é o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo, ao contabilizar o segundo maior número de mortos (243.457, em mais de 10 milhões de casos), depois dos Estados Unidos.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.441.926 mortos no mundo, resultantes de mais de 110,2 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.

%d blogueiros gostam disto: