A Tempestade

Correio do Pantanal

18 jun 2021 às 21:04 hs
A Tempestade

PALAVRA –  Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos 4,35-41

35Naquele dia, ao cair da tarde, Jesus disse a seus discípulos: ‘Vamos para a outra margem!’ 36Eles despediram a multidão e levaram Jesus consigo, assim como estava na barca. Havia ainda outras barcas com ele. 37Começou a soprar uma ventania muito forte e as ondas se lançavam dentro da barca, de modo que a barca já começava a se encher. 38Jesus estava na parte de trás, dormindo sobre um travesseiro. Os discípulos o acordaram e disseram: ‘Mestre, estamos perecendo e tu não te importas?’ 39Ele se levantou e ordenou ao vento e ao mar: ‘Silêncio! Cala-te!’ O ventou cessou e houve uma grande calmaria. 40Então Jesus perguntou aos discípulos: ‘Por que sois tão medrosos?
Ainda não tendes fé?’ 41Eles sentiram um grande medo e diziam uns aos outros:
‘Quem é este, a quem até o vento e o mar obedecem?’ Palavra da Salvação. Glória, a Vós, Senhor!

MENSAGEM – Quem é este a quem até o vento e o mar obedecem? Olhando o mundo em que vivemos, muitas vezes temos a sensação de estar num mar agitado e perturbado. Onde está Deus nesses momentos de tempestade? As Leituras bíblicas de hoje nos dizem que o homem não está sozinho, abandonado à própria sorte; Deus está sempre presente e atento na “barca” de nossa vida, mesmo quando parece estar “dormindo”. Basta acreditar nessa presença constante e atuante. Na 1a Leitura, temos a experiência de Jó. (Jó 38, 1.8-11) Jó foi um homem bom e justo, que de repente foi atingido pela desgraça, que lhe rouba a riqueza, a família e a própria saúde. Jó questiona o sofrimento do justo inocente e o papel de Deus nele. O texto é uma Resposta de Deus ao desespero de Jó: Deus fala com Jó no meio da tempestade, revelando a eficácia de sua palavra criadora que organiza e conduz o universo com sabedoria, fixando os limites do mar, controlando as forças dominadoras do mal e do caos. Essa leitura nos prepara para entender o evangelho de hoje, em que Jesus “domina até as ondas do mar e elas lhe obedecem…” O Salmista convida a agradecer ao Senhor, que ouviu o clamor e transformou a tempestade em brisa suave. (Sl 107) Na 2ª Leitura Paulo afirma que o nosso Deus não é um Deus indiferente, que deixa os homens abandonados à sua sorte. Seu amor sustenta a vida e a missão dos cristãos… (2 Cor 5,14-17) No Evangelho, temos a experiência dos Apóstolos: Jesus está na barca dos discípulos e acalma a TEMPESTADE. (Mc 4, 35-41) É noite… Jesus está cansado… dorme… Surge a tempestade… Os Apóstolos apavorados… o acordam… Jesus está presente no barco dos discípulos, acalma a tempestade e os questiona: “Por que estais com medo, homens de pouca fé?” E eles: “Quem é esse homem a quem até o vento e o mar obedecem?” Detalhes a aprofundar: “Mar” e “noite” significam uma realidade de medo, sem perspectivas… O “barco” é o símbolo da comunidade de Jesus que navega pela história… Jesus está no “barco”, mas é conduzido pelos discípulos… Para a “outra margem”, ao encontro dos pagãos… Jesus “dorme”: é a sua aparente ausência ao longo da “viagem”. A “tempestade” significa as dificuldades que o mundo opõe à missão… Jesus aparece como o Deus que é capaz de dominar o mar e as forças hostis. “Quem é esse homem?” Os discípulos reconhecem que Jesus é o Deus presente no meio dos homens, e a quem são convidados a aderir, confiar e obedecer com total entrega. O texto não é uma crônica de viagem de Jesus com os discípulos no lago. É uma Catequese sobre a caminhada dos discípulos em missão no mundo, escrita numa época em que a Igreja enfrentava sérias “tempestades”… Para enfrentá-las, os discípulos não devem temer, porque não estão sozinhos…

A Palavra de Jesus acalma a tempestade, fortalece a fé dos discípulos e assegura a vitória sobre  todas as forças hostis. Nós também às vezes no mar agitado da vida nos sentimos sós e incapazes de reagir. Na Barca de nossa vida: desanimados… preocupados… “Deus se esqueceu de mim!”  Esquecemos que Cristo está conosco… Na Barca de nossa família: com ondas agitadas de problemas familiares: O Cristo está presente nela? Ele tem um lugar nela? Na Barca da Igreja: preocupados com as seitas… os escândalos… Cristo nos garante: “Estarei convosco até o fim dos tempos…” “As portas do inferno não terão vez contra ela” No Barco dos migrantes e refugiados, que partem esperançosos e percebem que “o Mundo não é a Pátria de todos”. E são recebidos com indiferença, ou até com violência, porque NÃO EXISTE JUSTIÇA PARA TODOS. Nessas horas, nossa fé fica transtornada e murmuramos como Jó…. Ou trememos como os discípulos no lago… “Onde está Deus?” Parece que está dormindo… Deve ser acordado… O silêncio de Deus nos desconcerta e nos incute medo… Deus deixa as coisas aconteceram e no momento oportuno manifesta o seu poder. Jesus censura a falta de fé dos apóstolos: “Por que duvidastes, homens de pouca fé?” Eles só se lembram dele quando se encontram numa situação desesperadora. Quantos cristãos que só pensam em Deus, na hora de “tempestade”… No final da narrativa, os discípulos se perguntam: “Quem é este homem, a quem até o vento e mar obedecem?” Na Bíblia, aparece que só Deus tem o poder de dominar as ondas do mar. Essa narrativa de Marcos, que no evangelho deseja mostrar “quem é Jesus”, revela que em Jesus reside a mesma força de Deus. É uma Resposta à pergunta: “Quem é Jesus” e uma Profissão de fé de Marcos na divindade de Cristo. Ele se manifesta com poder divino. Podemos confiar Nele!…   Renovemos também nossa fé em Jesus e dele receberemos novo vigor para enfrentar as tempestades da vida. Pe. Antônio Geraldo Dalla Costa – 20.06.2021

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.