A misteriosa doença ligada a cigarros eletrônicos que já matou seis pessoas nos EUA
  • piramide

Correio do Pantanal

12 set 2019 às 06:38 hs
A misteriosa doença ligada a cigarros eletrônicos que já matou seis pessoas nos EUA

Alessandra CorrêaDe Winston-Salem (EUA) para a BBC News Brasil

Mulher fumando cigarro eletrônico
Image captionCigarro eletrônico surgiu como promessa de auxílio para quem deseja parar de fumar

Quando o jovem de 21 anos chegou ao hospital, ele sofria havia uma semana de dificuldade para respirar, dores abdominais, tosse, náusea e vômito. Com base no resultado de radiografias, recebeu inicialmente tratamento para pneumonia bacteriana.

Mas ele não respondia ao tratamento, e sua condição estava piorando. O paciente foi então entubado, com insuficiência respiratória. Esse recurso também não resolveu o problema, e ele precisou ser conectado a uma espécie de pulmão artificial durante sete dias.

Enquanto isso, os médicos realizavam testes para investigar a possibilidade de vários tipos de doenças, bactérias e vírus, mas não conseguiam determinar o que levou um jovem sem nenhum problema de saúde anterior a esse quadro. A única informação que tinham era que ele fumava diariamente cigarros eletrônicos com nicotina e THC (tetra-hidrocanabinol, componente psicoativo da maconha).

Apesar da gravidade do quadro, o jovem sobreviveu. Seu caso, relatado por médicos da Universidade de Utah na revista científica The New England Journal of Medicine, é 1 entre mais de 450 casos registrados em 33 Estados americanos nos últimos meses de uma grave e misteriosa doença pulmonar ligada ao uso de cigarros eletrônicos. Até agora, foram confirmadas seis mortes.

Os casos são investigados por especialistas do CDC (Centros de Controle e Prevenção de Doenças, agência de pesquisa em saúde pública ligada ao Departamento de Saúde), da FDA (Food and Drug Administration, agência do governo responsável pelo controle de medicamentos) e de departamentos de saúde estaduais.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.