A eleição nesta terça que pode dar amplo poder a Biden nos EUA

Correio do Pantanal

5 jan 2021 às 07:26 hs
A eleição nesta terça que pode dar amplo poder a Biden nos EUA
  • Mariana Sanches – @mariana_sanches
  • Da BBC News Brasil em Washington
Jovens em ato da campanha democrata de senadores na Geórgia
Legenda da foto,Jovens em ato da campanha democrata de senadores na Geórgia

Um único Estado dentre os 50 que compõem os Estados Unidos se tornou o pivô do destino de todo o país. Nesta terça, dia 5/1, republicanos e democratas voltam a se enfrentar nas urnas pela primeira vez desde a eleição presidencial de novembro, que tornou o democrata Joe Biden o 46º presidente da história dos Estados Unidos.

A disputa na Geórgia por dois assentos no Senado, que definirá quanto poder de fato o governo Biden terá para fazer mudanças, acontece menos de 48 horas depois da revelação de uma ligação telefônica entre o presidente Donald Trump e o secretário de Estado, Brad Raffensperger, na qual o presidente, em meio a acusações e falsas alegações de fraude eleitoral, afirma: “tudo que eu quero fazer é isso: só quero encontrar 11.780 votos, um a mais do que nós temos. Porque ganhamos o Estado”.

Historicamente republicana, a Geórgia deu em 2020 vitória a um presidenciável democrata pela primeira vez em 28 anos. Biden venceu por margem de menos de 12 mil votos, a segunda menor diferença entre ele e Trump em um Estado. A disputa foi tão apertada que obrigou a um segundo turno entre os candidatos a senadores, por isso o pleito fora de hora.

A Geórgia também se converteu no principal campo de batalha de Trump em sua tentativa de reverter a derrota eleitoral ao longo dos últimos dois meses. Embora sozinho o Estado não possa garantir a ele o número de delegados no Colégio Eleitoral para virar o jogo, o fato de a Geórgia ser governada por republicanos aumentou o inconformismo do presidente quanto aos resultados.ADVERTISEMENThttps://e84f17e7299074d9e15ebf6fa43e7ebd.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-37/html/container.html

Trump tem acusado sistematicamente o governador do Estado, seu correligionário Brian Kemp, de acobertar supostas fraudes que o levaram à derrota. Na última semana, chegou a pedir que Kemp renunciasse. Tudo isso aumentou o grau de incerteza sobre uma disputa já acirrada, na qual os republicanos eram originalmente favoritos.

ATENÇÃO: Comente com responsabilidade, os comentários não representam a opnião do Jornal Correio do Pantanal. Comentários ofensivos e que não tenham relação com a notícia, poderão ser retirados sem prévia notificação.